Microsoft orienta empresas a trocar Windows 7 por Windows 10: "mais seguro"

Por Redação | 16 de Janeiro de 2017 às 22h06
photo_camera Divulgação

O Windows 7 foi — e ainda é — um sistema operacional muito utilizado e bem aceito pelos usuários da plataforma da Microsoft. Mas, o suporte principal ao OS deixou de funcionar em 2014, o que significa que, nos últimos dois anos, apenas atualizações de segurança serão disponibilizadas para o sistema.

Agora, a Microsoft está dizendo a seus clientes corporativos que, mesmo com todas estas atualizações de segurança que ainda estão por vir para o Windows 7, ele está muito aquém dos sistemas mais modernos, não atendendo aos principais requisitos de segurança dos departamentos de TI.

De acordo com Redmond, é melhor que as empresas comecem a considerar a migrar para o Windows 10 o mais rápido possível, pois a tendência é que cada vez menos equipamentos de hardware tragam compatibilidade com os drivers aceitos pelo sistema de 2009.

O curioso é que muitas empresas ainda usam o Windows 7 no Brasil e no mundo inteiro. Talvez porque, depois do Windows XP (2001), considerado por muitos usuários o melhor sistema operacional já lançado pela empresa, o Windows 7 conseguiu manter a estabilidade e melhorou substancialmente sua segurança.

Para evitar que os usuários corporativos fiquem presos a um sistema operacional cada vez menos compatível com o hardware da atualidade e com níveis de segurança menos confiáveis no que tange a exploração de falhas por ataques remotos, a empresa pretende convencer o máximo possível de corporações a deixarem as versões antigas de lado e migrarem o mais rápido possível para o Windows 10.

Sair do Windows 7, aliás, é menos complicado que sair do Windows XP, porque os aplicativos do Windows 7 têm mais compatibilidade com o sistema atual do que os do sistema de 2001. A grande verdade é que a Microsoft está claramente interessada em angariar cada vez mais usuários e concentrá-los em seu sistema mais moderno, o que facilitaria o desenvolvimento de correções e atualizações por parte de sua equipe de programadores e engenheiros. Mas, além disso, o usuário também sai ganhando, claro: afinal, quem é que quer pagar para ver um prejuízo acontecer por conta de um software desatualizado e com segurança relativamente baixa? São dois pesos e duas medidas.

Via ArsTechnica

Instagram do Canaltech

Acompanhe nossos bastidores e fique por dentro das novidades que estão por vir no CT.