Apple vai liderar setor de smartwatch com apps de saúde e fitness, diz IDC

Por Rafael Arbulu | 24 de Junho de 2019 às 10h59
Tudo sobre

Apple

Saiba tudo sobre Apple

Ver mais

A demanda por apps de monitoramento da saúde humana, aliada à crescente pulverização do Android por diversas fabricantes de dispositivos vestíveis no mundo, farão com que a Apple continue como a marca dominante no setor de smartwatches pelos próximos quatro anos, segundo levantamento feito pela empresa de pesquisa de mercado IDC.

Segundo a firma, os competidores mais diretos da Apple ocupam um distante segundo lugar, fazendo com que o Android tenha, nesse setor, a percepção de ser um sistema mais inerente a fabricantes asiáticas — sobretudo chinesas.

Segundo o diretor de pesquisa da equipe de wearables da IDC, Ramon T. Llamas, "os smartwatches, como sempre, ainda vão servir para lhe dizer as horas, mas também se aprofundarão ainda mais na saúde e mercado fitness e se conectarão com sistemas e aplicações múltiplas”. O executivo ainda ressaltou que dispositivos auriculares, como earpods e fones de ouvido inteligentes, devem “cutucar outras áreas”, como tradução simultânea de idiomas, assistentes inteligentes e conteúdo voltado para coaching.

Apple Watch deve liderar crescimento do setor de tecnologias vestíveis nos próximos quatro anos (Imagem: Divulgação/Apple)

Segundo o instituto, a demanda global por dispositivos vestíveis deve aumentar consideravelmente, pegando por padrão um período de 10 anos contado a partir de 2013: naquela época, as vendas e entregas foram de 222,9 milhões de unidades, sendo que, para 2023, espera-se que o volume atinja a marca de 302,3 milhões. Desse número, 43,5% será específico para smartwatches como o Apple Watch. Em números, os relógios inteligentes passarão de 91,8 milhões (2019) para 131,6 milhões de unidades comercializadas em 2023.

Junto dessa liderança estarão os dispositivos auriculares inteligentes, que, de acordo com a IDC, deverão seduzir consumidores com capacidades como correção de perda de audição, por exemplo. Já os relógios em si passarão a usar aplicações e suportes à tecnologia fitness e de saúde como principal motor de vendas. Os modelos mais recentes do Apple Watch, por exemplo, contam com monitores cardíacos, contadores de passos, contagem quilométrica para corridas e até um minieletrocardiograma para detectar situações de risco.

No caso das pulseiras inteligentes, o crescimento não será tão exponencial, já que a IDC espera que usuários dessa tecnologia acabem transicionando para os smartwatches nos próximos anos.

Os dados da pesquisa foram compilados levando em consideração o sentimento dos usuários frente à tecnologia vestível, além de volumes de venda e receitas trimestrais dos últimos anos e estratégias de comunicação das empresas que atuam no setor.

Fonte: IDC

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.