Cientistas explicam por que imagem da Momo causa medo em tanta gente

Por Renato Mota | 01 de Março de 2019 às 21h25

A boneca Momo voltou a tocar o terror pela internet. A imagem viral de uma estátua japonesa, que vem acompanhada de um desafio que promove o suicídio de crianças, supostamente já fez vítimas inclusive no Brasil. Mas por que essa imagem nos causa tanta repulsa? A resposta está na ciência.

O pessoal do Popular Science conversou com especialistas para entender a estranheza que a foto — que na verdade é uma estátua chamada "Mother Bird", criada pela empresa japonesa de efeitos especiais Link Factory — nos causa. E “estranheza” é a palavra certa, já que tem a ver com uma teoria da robótica e da computação gráfica chamada “uncanny valley”, ou "vale da estranheza", em português.

Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por まき (@ma_kimodo_shi) em

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O conceito diz que quanto mais uma coisa se parece com um humano, mais “fofa” ela fica para nós. Um exemplo são os animais antropomorfizados dos desenhos animados. Porém, se vão ficando cada vez mais e mais parecidas com pessoas de verdade, começam a causar uma repulsa. “É por isso que vemos tantos bonecos de ventríloquo em filmes de terror. É o mesmo para os zumbis também”, explica o professor de psicologia do Knox College, Frank McAndrew.

Assim como a Momo, a teoria do vale da estranheza surgiu no Japão, e foi criada pelo professor Japonês de robótica, Masahiro Mori, em 1970. A ideia é que robôs como os usados nas linhas de montagem de carros nos parecem neutros, e quanto mais “humanizados”, mais nos causam empatia — como o Asimo, da Honda. Se eles vão ficando mais parecidos ainda com humanos, como as robôs recepcionistas japonesas, ou se movem como pessoas, como os robôs corredores da Boston Dynamics, nos gera desconforto. Contudo, esse desconforto seria superado se os robôs se tornassem idênticos aos humanos, como nos filmes.

Robôs numa linha de produção, Asimo e a robô recepcionista Aiko Chihira (Reprodução)

Momo não é um robô, mas se encaixa na teoria por ser bastante realista. “Quando você vê algo como Momo, ela mobiliza suas capacidades de atenção”, diz McAndrew. “Você se concentra e tenta processar aquilo até entende o que é”, completa. Essa incerteza é o que gera o desconforto, uma vez que nosso cérebro é feito para reconhecer padrões. Momo dá um “tilt” na nossa cabeça.

“Somos projetados para reconhecer rostos e analisar suas expressões para decidir rapidamente se podemos confiar neles ou não. Algo assim [como a Momo] aciona um tipo de modo de erro em nosso cérebro”, afirma a socióloga Margee Kerr. Quando vemos só o rosto de Momo, a estranheza é maior do que quando vemos a estátua por completo. “Uma vez que você vê a coisa toda e vê que ela se parece mais com um monstro, pode realmente diminuir o efeito assustador”, diz Kerr, que é autora do livro Scream: Chilling Adventures in the Science of Fear ("Grito: Aventuras arrepiantes na ciência do medo", na tradução literal).

Fonte: Popular Science

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.