Tecnologia da Samsung converte qualquer conteúdo para 8K (ou quase isso)

Por Joyce Macedo | 04 de Junho de 2019 às 08h22
Tudo sobre

Samsung

Saiba tudo sobre Samsung

Ver mais

Em abril de 2019, a Samsung anunciou a chegada das suas TVs QLED 8K ao Brasil. No entanto, muitas dúvidas cercam a nova tecnologia, que ainda não está ao alcance da grande maioria dos consumidores.

Para esclarecer os diferenciais da nova linha de TVs e ainda realizar demonstrações exclusivas da sua performance, a fabricante trouxe especialistas diretamente da sua matriz na Coreia do Sul para falar em seu Technical Summit, evento realizado na última semana em São Paulo.

Falando um pouco sobre números, a tecnologia 8K da Samsung promete até 4.000 nits de brilho e 33 milhões de pixels para formação de imagens. Para se ter uma ideia, uma TV 4K tem "apenas" 8 milhões de pixels e uma Full HD tem dois milhões. A soma disso tudo resulta em contornos mais precisos, mais detalhes na textura, maior profundidade nas cenas, além de cores e imagens mais cristalinas.

Samsung demonstra diferenças entre 4K e 8K no Technical Summit, em São Paulo (Foto: Divulgação / Samsung)

Algoritmo que melhora a qualidade das imagens

Deixando pixels e nits um pouco de lado, precisamos falar sobre um “detalhe” das TVs da Samsung que promete ser o grande diferencial nessa nova era de qualidade de imagem: o processador Quantum 8K. É comum ouvirmos falar sobre processadores de smartphones, mas quando o assunto é TV, ninguém se importa muito com isso. Pelo menos até agora.

Isso porque o processador da Samsung é o responsável por ajudar a resolver – pelo menos em partes – um dos grandes problemas atuais: a escassez de conteúdo em 8K. Afinal, do que adianta ter um aparelho poderoso, capaz de exibir toneladas de pixels, mas não ter conteúdo bom o suficiente para ser exibido, não é mesmo?

De acordo com a Samsung, seu processador usa a tecnologia de Inteligência Artificial para analisar milhões de imagens e fazer automaticamente o upscaling de conteúdo de qualquer fonte com resolução menor para um formato de vídeo "próximo ao 8K".

Durante o Tech Summit da Samsung, Simon Lee, Engenheiro Líder da área Visual Display Business da Samsung Electronics, explicou que o chamado Machine Learning Super Resolution (MLSR) da empresa usa a IA para comparar versões em alta e baixa resolução de um mesmo conteúdo e aprender diferenças técnicas entre os dois.

Simon Lee, executivo da matriz coreana da Samsung falando durante o Technical Summit, em São Paulo (Foto: Samsung / Divulgação)

Basicamente, a tecnologia recolhe dados de milhões de vídeos, classifica-os com base na textura, formato, entre outras características, para depois criar fórmulas para definir cada conteúdo. O refinamento do conteúdo é feito em tempo real, independente do seu formato nativo (HD, FHD, ou mesmo UHD).

O resumo da ópera é que o upscaling da Samsung permite que conteúdos da rotina do consumidor, como programas de TV aberta ou paga, além de séries, filmes e afins, possam ser vistos com mais qualidade, mesmo sem terem sido filmados em 8K.

O mais legal é que todo o processo de conversão da imagem acontece de forma autônoma, mas, apesar de funcionar muito bem em demonstrações controladas, ainda nos deixa curiosos para realizar alguns testes no uso diário.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.