Tudo ao mesmo tempo agora

Por Boris Kuszka | 15 de Setembro de 2016 às 12h59

O modo como consumimos mudou, assim como a forma como queremos os serviços que nos são oferecidos. E o software é o grande influenciador e responsável pela agilidade de tudo o que praticamos atualmente. A revolução tecnológica chegou.

Não são apenas os especialistas de TI que necessitam melhorar processos internos. A demanda agora vem da própria linha de negócios que está pedindo aplicativos para aumentar a competitividade.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Já percebia este movimento há cerca de dez anos no mercado, quando paulatinamente acontecia uma aproximação entre negócios e a Tecnologia da Informação. Estamos no auge desta parceria, para ser mais exato.

Atualmente, o software é o que permite toda esta mudança, inclusive no modo como interagimos diariamente. Novas interações – vide o novo jogo que usa a realidade virtual-, usar o smartphone de forma inteligente para nos locomovermos, seja via aplicativos como Uber ou de localização, como o Waze, simplesmente evidenciam serviços mais rápidos, custos menores e agilidade na troca de informações. As empresas em geral vêem o smartphone como uma a solução natural de interação com os seus clientes: os bancos, por exemplo, já estão vendo, de acordo as últimas estatísticas da Febraban, um acesso maior através de smartphones comparando com agências e internetbanking (o número de transações via mobile banking cresceu mais de 100 vezes desde 2011 e 138% somente em 2015).

A TI está dando um novo valor ao cotidiano das pessoas. Redes sociais já são naturais e fazem parte de nossa rotina, assim como os serviços acima citados. A tecnologia dita tendências. Mas como colocar as coisas em produção de forma ágil e flexível?

As tecnologias de desenvolvimento de softwares tiveram que mudar para se ajustarem à demanda. Por isso, a abordagem de DevOps, a tecnologia de containers (empacotamento de software) e infraestrutura escalável e automatizada baseada nos conceitos de cloud computing, tornaram-se tão essenciais. Aplicativos inovadores devem ser desenvolvidos com mais produtividade. Estamos transformando a TI de artesanal para industrial da mesma forma que a 2a Revolução Industrial trouxe o conceito de produção em série para a indústria de manufatura. A abordagem de DevOps, desenvolvimento ágil e cloud computing estão revolucionando a TI.

DevOps prega o desenvolvimento em pequenos pedaços, chamados microserviços, promovendo uma série de vantagens: desenvolvimento distribuído em equipes multidisciplinares, flexibilidade de utilização de novas linguagens de programação, novos frameworks (pedaços reutilizáveis de software que provém funcionalidades específicas) e, principalmente, escalabilidade. Container é a tecnologia que permite empacotar estes microserviços, além de conter um isolamento seguro da aplicação de todas as suas dependências, é fácil de implantar e é portável entre os sistemas: sejam servidores virtualizados, servidores físicos, infraestrutura de cloud privada ou uma cloud pública qualquer.

A partir desta abordagem é possível realizar o transbordo, que nada mais é do que replicar os containers em uma ou mais nuvens públicas, ou onde quiser. Em resumo: mais opções, mais agilidade e total gerenciamento.

Outra vantagem deste modelo de desenvolvimento em pequenos pedaços é o conceito “CI/CD (Continuous integration/ Continuous deployment)” , técnica que permite reduzir riscos na introdução de novos softwares num sistema, sejam correções ou novas funcionalidades. Tudo isso sem parar a produção, em pleno funcionamento.

Vejam uma demo feita no Red Hat Summit esse ano em São Francisco, Estados Unidos, mostrando todas essas tecnologias em funcionamento (em inglês, desculpem-me):

Atenção especial para metodologia de Canary Deployment, cuja ideia é fazer a publicação de uma nova versão de um aplicativo paulatinamente, primeiro para um subconjunto de usuários (ou servidores), acrescentando-se novos usuários pouco a pouco até que todos estejam utilizando a nova versão: risco minimizado, sem downtime e sem a necessidade de reservar janelas de implementação. Tudo em produção!

A Red Hat, de forma inovadora, também está fazendo uso do CI/CD para acelerar o desenvolvimento de suas soluções para empresas: vai reduzir o tempo de lançamento do OpenStack 10, convertendo da versão comunidade para enterprise, de 6 meses para 4 semanas. Isso quer dizer que não apenas os serviços para consumidores finais caminham para essa agilidade, como também para empresas. Bem-vindos à uma nova era da tecnologia.

*Artigo produzido por colunista com exclusividade ao Canaltech. O texto pode conter opiniões e análises que não necessariamente refletem a visão do Canaltech sobre o assunto.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.