Blinde sua aplicação web PHP com estas 15 dicas de segurança

Por Sérgio Oliveira
photo_camera scyther5

Desenvolver uma aplicação web não é uma das tarefas mais fáceis do mundo. Embora cada vez mais ferramentas e linguagens de programação prometam facilitar todo o trabalho, sempre haverá uma questão que jamais será resolvida sem alguma expertise da parte do desenvolvedor: a segurança.

Além de garantir a segurança dos usuários e das transações, um sistema web seguro também deve garantir a integridade do servidor que o hospeda. Por esse motivo, os profissionais da área devem estar sempre preparados e bem informados sobre as principais ameaças e as técnicas que ajudam a evitá-las. E, pode apostar, essa não é uma tarefa tão simples quanto parece: há uma infinidade de procedimentos que podem ser adotados para evitar uma infinidade maior ainda de acessos ou uso indevido de dados e recursos.

Pensando nisso, nós separamos algumas dicas que podem ajudá-lo a garantir a segurança do seu sistema desenvolvido em PHP. Confira-as:

1. Sempre use nomes de cookies de sessão diferentes

Para evitar que ocorra os chamados roubos de sessão, é sempre bom definir nomes diferentes para os cookies de sessão. Por exemplo, o nome padrão utilizado pelo PHP para guardar ids de sessão é "PHPSESSID". Logo, mudar esse nome dificultará a ação de qualquer cracker que queira se aproveitar da sua aplicação.

Outra dica interessante é usar nomes diferentes para cada acesso e vinculá-lo a algo do acesso do visitante.

Nome de sessão diferente para cada usuário

2. Só acesse cookies de sessão via HTTP

Embora os ids de sessão sejam armazenados em cookies por padrão no PHP, o atributo session.cookie_httponly não vem como padrão. Ativando-o você garante que os cookies de sessão só poderão sre acessados via HTTP, impedindo que scripts JavaScript, por exemplo, sejam barrados ao tentar fazer o mesmo. Essa á uma ótima dica para evitar principalmente ataques XSS.

Para mudar a configuração, vá até o arquivo php.ini do PHP, procure pelo atributo session.cookie_httponly e defina seu valor como 1.

3. Atribua um limite de tempo de vida para as sessões

Mesmo que um cracker consiga acessar o seu sistema roubando uma sessão, ele terá pouquíssimo tempo para agir se você limitar o tempo de vida das sessões.

Defina um tempo limite de vida para suas sessões

4. Valide a origem da sessão em todas as páginas

Garanta que o usuário que se autenticou no sistema é o mesmo que está acessando a página atual validando o User Agent e o IP do dono da sessão em todas as páginas.

Valide a origem das sessões em todas as páginas

5. Evite Spoofing de formulário

O Spoofing de formulário ocorre quando uma postagem é feita em um dos formulários do seu site de um local inesperado e/ou desconhecido. Neste caso, uma técnica que pode ajudar a evitar esse tipo de ataque é a utilização de um token. Nele, você pode guardar uma chave na sessão no momento em que o formulário é exibido e, quando os dados forem postados, utilizá-la para comparar se a chave enviada é a mesma gravada na sessão anteriormente.

Vale lembrar, no entanto, que essa dica deve ser implantada em formulário mais simples - para casos mais complexos, a alternativa mais efetiva contra robôs continua sendo o uso do Captcha.

Evite que dados sejam postados nos formulários de outros lugares

6. Nunca esqueça de validar dados externos

Jamais se esqueça de validar os dados que chegam à sua aplicação via comandos GET, POST, COOKIE ou SERVER, pois todos eles podem ser manipulados e merecem ser verificados. Essa prática é especialmente importante para evitar ataques do tipo XSS e SQL Injection.

Para esta tarefa, pode-se usar as validações que vêm nativamente no PHP. Veja alguns exemplos abaixo:

Nunca deixe de validar os dados que chegam à sua aplicação de fora

7. Valide os arquivos enviados ao servidor

É cada vez mais raro encontrarmos sistemas que não oferecem a possibilidade de enviarmos algum arquivo para armazená-lo no servidor. Se o seu utiliza esse recurso, então nunca esqueça de validar os uploads antes de salvar os arquivos no servidor. Dessa forma você evita que arquivos maliciosos sejam armazenados e causem algum dano ao seu servidor e sistema.

Vale ressaltar, no entanto, que validar apenas a extensão do arquivo já não é mais suficiente, pois ela pode ser manipulada no momento do envio. Para uma solução completa, é preciso verificar o cabeçalho do arquivo. No caso de imagens, uma boa alternativa é a seguinte:

Validar os arquivos enviados para o servidor também é importante

8. Impeça que suas pastas sejam acessadas via HTTP

No PHP, inúmeras configurações ficam armazenadas em arquivos com extensões ini, XML, JSON, txt e outras. O pior de tudo é que o conteúdo desses arquivos é visível quando acessados pelo navegador, o que acaba sendo um problema se ali contiver informações confidenciais.

Para evitar esse problema, a melhor alternativa é proteger as pastas que contêm esses arquivos contra acessos externos. Para isso, basta colocar esses arquivos fora da pasta public_html ou adicionar um arquivo .htaccess com as seguintes configurações nas pastas que se deseja proteger:

Bloqueie o acesso às suas pastas via HTTP

9. Mantenha o controle dos erros do sistema

Não adianta: por mais que você previna que erros ocorram na sua aplicação, aqui e ali eles aparecerão. O problema é que, se não forem bem tratadas, essas falhas podem acabar exibindo dados sobre sua aplicação.

Para evitar isso, defina um arquivo de log para registrar esses erros. Caso haja necessidade de acompanhar esse arquivo de log em tempo real, uma boa opção é acessar o servidor via SSH e usar o comando tail -f pathlog/logfile.

Também há uma configuração que pode ser feita no php.ini para evitar que tudo seja exibido na cara do usuário. Acesse-o e modifique as seguintes linhas para armazenar tudo num arquivo predeterminado:

//php.ini

error_reporting = E_ALL & ~E_NOTICE

display_errors=On

log_error=On

error_log=my_file.log

10. Jamais armazene senhas em texto puro

Chega um momento do desenvolvimento que o cansaço começa a tomar conta de nós e acabamos abrindo mão de alguns recursos de segurança para adiantar os testes do projeto. Contudo, isso não pode acontecer quando o assunto é as senhas de acesso ao sistema. Elas jamais devem ser armazenadas sem antes serem criptografadas. Adotando essa técnica, você protege não só os seus usuários, mas também o banco de dados de uma eventual invasão.

Sempre criptografe as senhas da sua aplicação

11. Fique de olho nos erros de senha

Há quem monitore toda tentativa de acesso ao sistema, quer seja ela bem sucedida ou não. Uma vez com esse controle implantado, é sempre bom ficar de olho e bloquear o IP de origem ou adicionar um Captcha como validação adicional em caso de mais de três tentativas de senha incorreta. Dessa forma você mina as possibilidades de ataques de força bruta.

12. Tenha cuidado com as permissões em pastas

Sempre tenha um pé atrás e restrinja o acesso às pastas do servidor. Adicione regras de execução e escrita somente em pastas aproriadas.

13. Cuidado com servidores compartilhados

Os servidores compartilhados são vistos por uma boa parcela dos desenvolvedores como uma ótima opção de hospedagem principalmente por causa dos preços baixos, que acabam os tornando atraentes. Contudo, o que os iniciantes não sabem é que essa solução também traz consigo algumas preocupações extras com segurança.

Há alguns anos, o PHP tentou resolver parte desses problemas com a diretiva safe_mode, mas chegou-se à conclusão que essa preocupação não era de responsabilidade da equipe de desenvolvimento da tecnologia. Por esse motivo, essa diretiva passará a não existir mais a partir do PHP 6.

Mesmo assim, ainda há três diretivas do php.ini que continuam a desempenhar um importante papel na configuração de hospedagens compartilhadas. São elas:

open_basedir: Com ela, é possível imitar os diretórios que o PHP pode abrir com o fopen ou include.

//php.ini
open_basedir = "/home/user/www/:/usr/local/lib/php/";
;foram adicionados dois caminhos separados por “:”

disable_functions e disable_classes: essas duas diretivas funcionam de forma semelhante e permitem que você desabilite certas funções nativas do PHP e classes por razões de segurança.

//php.ini
;desabilitando as funções
disable_functions = exec,passthru,shell_exec,system
;desabilitando as classes
disable_classes = DirectoryIterator,Directory

14. Tenha um plano em caso de comprometimento do sistema

Sempre somos levados a pensar que o pior não acontecerá conosco. Contudo, como o seguro morreu de velho, é sempre bom ter um plano de ação para o caso de você descobrir que seu sistema foi comprometido.

Uma boa dica é desabilitar as contas para que uma investigação seja conduzida a fim de descobrir a falha explorada pelos crackers. Depois disso, defina uma estratégia de reativação das contas utilizando e-mails.

15. Fique sempre de olho no seu sistema

Utilize programas de identificação de vulnerabilidades. Além de identificar os pontos fracos da sua aplicação, esses sistemas oferecem informações sobre elas e ainda podem lhe orientar sobre como resolvê-las.

Se quiser experimentar um desses programas, recomendamos o Netsparker e o Mantra.