ECG do Apple Watch 4 salva vida de homem nos EUA

Por Rafael Arbulu | 10 de Dezembro de 2018 às 11h39
Tudo sobre

Apple

Saiba tudo sobre Apple

Ver mais

Foi apenas no último dia 7 de dezembro que a Apple pôde liberar a função de eletrocardiograma (ECG) no Apple Watch Series 4, mas mesmo em tão pouco tempo o recurso já vem salvando vidas. Segundo relato do usuário “u/edentel” no fórum online Reddit, ele descobriu estar com fibrilação atrial, um tipo de arritmia cardíaca caracterizada por batimentos rápidos e irregulares do coração.

O conto é longo, mas a versão resumida conta:

“Eu atualizei ontem à noite e testei. Estranho. Notificações anormais de temperatura. Executei o app de ECG e ele respondeu ‘Fibrilático’. Bom, pensei que o firmware estava com algum bug. Vamos tentar de novo. ‘Fibrilático’. De novo e de novo e de novo. Porcaria de relógio.

Minha mulher acorda e eu ponho o relógio nela. ‘Normal’. ‘Normal’. Em mim: ‘fibrilático’. Tento o outro pulso, por baixo do pulso. Toda vez, ‘fibrilático’.

Tá, então vamos ao ambulatório. Estacionamento cheio e estou prestes a desencanar e voltar para casa. Olho o relógio de novo. ‘Fibrilático’.

Ok, entro e preencho a ficha. Eles me perguntam o que há de errado e eu estou com vergonha: ‘Ok, então, tenho esse relógio novo aqui com essa função… hahaha… é bobagem minha, mas podemos checar?’

Eu nem imaginei que esse comentário seria um passe livre da fila do ambulatório. Me levam para uma sala e me ligam à máquina. O técnico olha para a tela e diz ‘Vou chamar o doutor’.

O doutor entra, olha para a tela, olha para mim e diz: ‘Você deveria comprar ações da Apple. Isso provavelmente te salvou. Eu li sobre essa função na noite passada e achei que veríamos um aumento na demanda esta semana, mas não hoje logo pela manhã”.

A função de eletrocardiograma do Apple Watch 4 foi aprovada para consumo recentemente pela FDA, o órgão responsável pela saúde nos EUA, na última semana (não é o mesmo que aprovada para uso clínico — o ECG simplesmente lhe oferece dados atualizados para que você os leve a um médico). A própria FDA disse que o recurso não é um substituto às clínicas e hospitais, mas toda informação atualizada sobre seu quadro de saúde é um atalho para que o médico especializado possa lhe dar um diagnóstico mais exato.

Fonte: The Next Web

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.