Não jogue fora | Saiba como continuar aproveitando um smartphone antigo

Por Patrícia Gnipper | 17 de Abril de 2019 às 23h00

A obsolescência programada é real, e nos acostumamos a trocar de smartphone com tanta frequência, que muita gente tem verdadeiros museus da telefonia móvel empoeirando nas gavetas de casa. Afinal, com exceção de alguns modelos e marcas, esses dispositivos se tornam defasados dentro de poucos anos após seu lançamento — defasados a ponto de já não terem mais valor algum para revenda, por sinal. Mas você pode aproveitar um smartphone antigo de outras maneiras, mantendo-o útil por mais tempo, mesmo que já tenha um aparelho novinho em folha nas mãos.

Se você já tentou vender o aparelho "encalhado" e não teve sucesso, em vez de deixá-lo eternamente parado até que um dia acabe decidindo jogar fora toda a "tralha" tecnológica que acumulou durante anos, abaixo você confere algumas ideias de como continuar aproveitando o aparelho que, um dia, foi seu melhor amigo antes de se tornar um "ancião".

Telefone reserva

Aquele iPhone 4 que você não liga há anos pode ser um celular reserva em momentos de necessidade

Se o aparelho ainda estiver funcionando, ainda que com uma bateria mais "capenga" ou riscos na tela que não atrapalham seu uso, você pode simplesmente guardá-lo para ser usado como um telefone reserva em algum momento de necessidade. Caso o seu smartphone atual seja perdido ou furtado, por exemplo, ou se ele apresentou defeito e demorará uns dias para ser reparado na assistência, você consegue continuar usufruindo do básico do smartphone reserva para não ficar incomunicável, conseguindo fazer e atender chamadas e responder mensagens mais urgentes.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Ainda, um telefone reserva que está com as funcionalidades básicas em ordem também pode ser o aparelho ideal para ser levado em eventos em que furtos e acidentes são comuns, como, por exemplo, shows em arenas abertas, estádios de futebol e aventuras na natureza. É só manter um chip de telefonia no aparelho para garantir o sinal de voz e de dados e pronto!

GPS para o carro

Hoje em dia, quase todos os motoristas já se acostumaram a posicionar o smartphone no painel do veículo para contarem com a ajuda das rotas guiadas de apps como Google Maps e Waze, por exemplo. Mas é verdade que um celular de última geração exposto no painel para qualquer um ver representa riscos, especialmente nas grandes cidades. Então, se o seu smartphone antigo ainda segurar a onda, você pode usá-lo como um GPS permanente para o carro — e caso algum criminoso decida furtar o aparelho, você não estará lá perdendo grandes coisas.

Monitor de bebês

Existem vários aplicativos para Android e iOS que transformam o aparelho em um monitor para bebês. Então, seu smartphone antigo pode ser reaproveitado com esta finalidade, caso sua câmera esteja funcionando devidamente. É só instalar o aplicativo que achar mais legal no aparelho, posicioná-lo a poucos metros do berço do bebê, e instalar o app em seu smartphone atual ou no computador (se ele tiver versão para desktop), conectando os dois dispositivos desta maneira. Então, em seu aparelho usado no dia a dia, você pode assistir a seu bebê enquanto ele dorme, e também ouvi-lo mesmo sem estar perto do quarto da criança.

Controlador sem fio para seu computador

Um smartphone parado pode ser transformado em um trackpad à distância para seu computador. Existem diversos apps com esta finalidade, tanto para aparelhos Android e iOS, quanto para máquinas com Windows e macOS, e até mesmo para Linux. Você precisa apenas garantir que as conexões Wi-Fi e Bluetooth do aparelho estejam funcionando.

Esses apps permitem controlar mouse e teclado do computador por meio do celular, além de controles específicos para a reprodução de mídias como músicas e vídeos. Alguns deles também permitem controlar programas instalados na máquina de maneira remota.

Celular para jogar

Ok que com um smartphone mais antigo você não vai conseguir jogar aqueles games mais pesados e exigentes do momento, mas para toda a imensidão de joguinhos despretensiosos que servem para passar o tempo, um aparelho sem uso pode se tornar uma central de diversão enquanto você não está fazendo nada no transporte público. Você pode conectar o aparelho na rede Wi-Fi para baixar todos os games que quiser (e que funcionem offline), e carregar o smartphone na bolsa quando estiver no trajeto entre a faculdade ou o trabalho e sua casa.

Leitor de e-books e reprodutor de podcasts

O app do Kindle permite ler e-books no celular à vontade

A mesma ideia de usar o celular antigo para curtir joguinhos mais básicos pode valer para quem gosta de ler no ônibus ou no metrô, transformando o smartphone sem uso em um leitor de e-books. É só baixar o app Kindle, da Amazon, que é gratuito para Android e iOS, e alimentar a biblioteca local quando estiver conectado no Wi-Fi. Então, quando estiver offline e entediado por aí, seu aparelho antigo voltará a ser o seu melhor amigo temporariamente.

O mesmo vale para quem gosta de ouvir podcasts, em vez de jogar ou ler livros digitais. Com um app específico para gerenciar podcasts instalado, você armazena os conteúdos que quer ouvir mais tarde e pode fazê-lo com um fone de ouvido onde estiver, quando quiser, sem tirar o seu smartphone principal do bolso. E se você assina streamings de música que oferecem a opção de baixar sons para ouvir offline, o aparelho também pode se tornar uma evolução dos antigos MP3 players.

Dispositivo de chat em vídeo

Quem usa demais aqueles programas de chat em vídeo como o Skype, seja para fazer trabalhos em grupo com os colegas da faculdade, seja por motivos de trabalho, sabe que nem sempre dá para manter o smartphone ligado no chat sem precisar interromper a conversa para conferir alguma notificação importante que acabou de chegar. Então, ter um segundo aparelho dedicado apenas aos bate-papos em vídeo pode ser uma boa saída.

Despertador

Acorda, menina!

Se você é do tipo que ativa a função "soneca" quando o despertador do celular toca, e depois acorda assustado porque perdeu a hora, que tal usar seu celular antigo como um despertador à distância? Assim, você mantém seu smartphone atual na cabeceira se precisar usá-lo durante a noite, e o celular antigo pode ser posicionado lá longe, para que você seja obrigado a levantar assim que ele começar a despertar no horário programado.

Contribuindo com a ciência

Que tal doar recursos de seu celular antigo para uma boa causa científica? Existem algumas iniciativas que usam o poder de fogo dos aparelhos de quem topar ajudar, e você pode fazer parte desse esforço comunitário.

Boa parte dessas iniciativas usam o aplicativo BOINC para Android, desenvolvido pela Universidade de Berkeley para aproveitar o poder de computação de smartphones voluntários no processamento de dados de pesquisas científicas. O app permite que o usuário escolha colaborar com pesquisas em diversas áreas, incluindo física, biomedicina e astronomia, bastando instalar o app e manter o aparelho conectado para participar.

Entre as iniciativas que fazem uso do BOINC, está o SETI, que trabalha na busca por sinais espaciais provenientes de civilizações tecnologicamente avançadas. Outra é a World Community Grid da IBM, que envia a aplicação para download após um cadastro, permitindo que o aparelho colabore com o processamento de dados para pesquisas em andamento. Quem também usa o BOINC nessa missão é o projeto [email protected], que conta com celulares voluntários para processar dados de estudos relacionados a asteroides.

Além dos projetos que se beneficiam com o app BOINC, há também o DreamLab para Android, esforço conjunto da Vodafone com o Instituto Australiano Garvan de Pesquisa Médica que faz estudos sobre a relação entre o câncer e o DNA do paciente. Outra opção é o MyShake para Android, do Laboratório Sismológico da Universidade de Berkeley, que usa os sensores do smartphone para detectar e analisar terremotos — se você mora ou está visitando uma área onde terremotos costumam acontecer, é só deixar o aparelho conectado e posicionado em uma superfície estável para que os cientistas consigam coletar dados valiosos em tempo real com seu intermédio.

Todos esses apps funcionam da mesma maneira: é só instalá-los no celular, manter a conexão Wi-Fi ativa, e desligar a tela do aparelho, pois os apps interrompem o uso do processamento do dispositivo quando ele é desbloqueado.

Que tal reciclar ou doar?

Agora, se nenhuma das ideias acima te agradou o suficiente a ponto de você se convencer a guardar seu smartphone antigo por mais tempo, você tem duas saídas bacanas: reciclar o aparelho, ou doá-lo a quem precisa.

Se o smartphone antigo ainda está bom para ser usado, um destino nobre a ele é doá-lo o quanto antes, para que ele não fique ainda mais defasado e possa ser usado por pessoas necessitadas. Várias instituições de caridade aceitam doações de celulares em todo o Brasil — e uma delas é a Doe Celular, que mantém uma caixa postal em Sorocaba, no interior de São Paulo, para receber as doações. Eles aceitam celulares funcionando, ainda que com pequenos defeitos, e também aceitam aparelhos danificados para o encaminhamento de peças para reciclagem. É só embalar bem o aparelho em materiais que absorvam impacto (como plástico bolha e isopor) e enviá-lo pelos Correios à caixa postal.

Mas se o aparelho não presta mesmo para mais nada, a reciclagem também pode ser feita em lojas de operadoras que aceitem aparelhos antigos para o descarte correto de seus componentes — e se você é usuário Apple, pode acionar o programa de reciclagem da Maçã, que faz o processo gratuitamente. Você só precisa, claro, fazer backup do aparelho, para depois apagar todos os dados pessoais dali, resetando-o às configurações de fábrica. Feito isso, é só entrar em contato com o serviço de reciclagem da Apple via telefone ou e-mail para descobrir aonde levar o aparelho a ser reciclado.

Por fim, lembre-se que você jamais deve jogar um smartphone no lixo comum, pois determinados componentes, como as baterias, por exemplo, contêm substâncias que são extremamente prejudiciais ao meio ambiente se forem descartadas em aterros sanitários.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.