LG reformula divisão mobile e pretende terceirizar produção de celulares baratos

LG reformula divisão mobile e pretende terceirizar produção de celulares baratos

Por Felipe Junqueira | 08 de Dezembro de 2020 às 12h50
Diego Sousa/Canaltech

A LG começou uma reformulação em sua divisão de dispositivos móveis com a intenção de reduzir custos depois de amargar cinco anos consecutivos de prejuízos. Com isso, a empresa pretende terceirizar o desenvolvimento e produção de celulares de baixo custo para tentar competir com as fabricantes chinesas.

Segundo uma porta-voz da empresa contou à Reuters, um novo cargo gerencial em fabricação de design original foi criado para cuidar da produção e até mesmo desenvolvimento de celulares de baixo e médio custo — em outras palavras, linha K no Brasil — por terceiros. Basicamente, a LG vai pegar projetos de outras empresas e colocar seu próprio logo e sistema no dispositivo, quase um white label — resta saber se haverá contrato de exclusividade com a marca.

A empresa ainda fechou alguns cargos de pesquisa e desenvolvimento, além de reformular outros. A ideia, segundo a porta-voz, é focar em dispositivos premium, como o LG Velvet e a nova linha Explorer, com o Wing, o celular com tela enrolável e outros que devem aparecer no futuro.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Assim, a marca mantém o desenvolvimento dos celulares premium dentro de casa e terceiriza modelos mais simples e de baixo custo para tentar reduzir prejuízos e competir com as concorrentes chinesas, principalmente.

LG: do pódio para fora do Top 5 das fabricantes de celulares

Lá em 2013, a LG aparecia na terceira colocação entre as fabricantes de smartphones, segundo ranking da Strategy Analytics. Hoje, a empresa não aparece nem no Top 7, tendo sido “rebaixada” à categoria “outras” da Counterpoint, outra empresa de análise de mercado, atrás de Xiaomi, Oppo e Vivo.

Fonte: Reuters

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.