Câmera frontal do Xiaomi 11T Pro é aprovada em testes do DXOMARK

Câmera frontal do Xiaomi 11T Pro é aprovada em testes do DXOMARK

Por Vinícius Moschen | Editado por Wallace Moté | 02 de Dezembro de 2021 às 09h00
Divulgação/Xiaomi

O Xiaomi 11T Pro foi lançado em setembro deste ano, e representa uma opção extra para os consumidores que desejarem um aparelho com alta performance e bom custo-benefício em comparação com alguns de seus concorrentes. Nessa quarta-feira (1), a câmera de selfies do aparelho passou pelos testes do conhecido portal DXOMARK, e foi aprovado com ressalvas.

As especificações do conjunto frontal incluem um sensor Omnivision OV16A10 de 16 MP, com pixels de 1.00 µm, dimensões de 1/3,06 polegada e abertura f/2,45. Para vídeo, o aparelho é capaz de gravar a até 1080p a 60 quadros por segundo, mas os testes do DXOMARK foram realizados a 30 fps.

Xiaomi 11T Pro tira boas fotos ao ar livre

Xiaomi 11T Pro apresenta bons níveis de exposição na câmera frontal (Imagem: DXOMARK)

A exposição foi um dos aspectos mais elogiados em relação ao Xiaomi 11T Pro, já que o aparelho é capaz de ajustar corretamente as configurações de forma automática, evitando que as seções escuras da imagem percam detalhes, e que as partes claras fiquem estouradas. O alcance dinâmico é bastante satisfatório, o que permite a captura de fotos mesmo em condições de contraluz, com qualidade superior ao Mi 10T Pro, seu antecessor.

Xiaomi 11T Pro (acima) mostra maior alcance dinâmico em comparação com seu antecessor (Imagem: DXOMARK)

Mesmo assim, os resultados não são perfeitos em todas as tentativas. Os analistas do DXOMARK apontam que a exposição pode ser um pouco instável de vez em quando, o que poderá exigir tentativas extras para chegar ao resultado desejado. Além disso, alguns efeitos de cor indesejados podem aparecer e afetar o balanço de branco, o que leva a tons de pele menos naturais.

Uma característica presente nas lentes frontais do Xiaomi 11T Pro é a perda de qualidade de objetos ou pessoas que estejam fora do plano focal exato, por causa de uma profundidade de campo bastante estreita. Além disso, mesmo quem está perfeitamente em foco pode perder alguns detalhes dependendo do caso. O ruído é visível mesmo em ambientes claros, e fica mais perceptível à medida em que as condições de luz vão ficando mais precárias.

Além disso, foram registradas mudanças indesejadas de tonalidade, dependendo dos níveis de saturação da imagem. No modo retrato, não há como perceber um aumento gradual dos níveis de desfoque, de forma proporcional à distância que os objetos mostrados estão da câmera — por isso, algumas situações podem reforçar o caráter artificial do efeito bokeh.

Efeito de desfoque não é gradual (Imagem: DXOMARK)

Vídeo bem exposto, mas com problemas de estabilização

Para gravações de vídeo, o panorama se repete no que diz respeito à exposição, com níveis equilibrados e imagens agradáveis — porém, novamente alguns efeitos de luz podem afetar o balanço de branco, e causar irregularidades nos tons de pele. O ruído é controlado a níveis satisfatórios em diferentes condições de iluminação, mas momentos com alto contraste podem levar à perda de detalhes.

Porém, a maior crítica do DXOMARK é relacionada com a estabilização de imagem, aspecto que também decepciona nas câmeras traseiras. De acordo com o portal, até mesmo os movimentos mais sutis são registrados pela câmera, e gravações durante caminhadas estão bastante suscetíveis a tremidas.

Mesmo assim, o Xiaomi 11T Pro recebeu uma nota 91 para selfies, avaliação considerada mediana dentro da lista. Com isso, ele fica empatado neste segmento com modelos como o iPhone 11 e o Vivo X60 Pro.

Fonte: DXOMARK

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.