Após lançamento de O Mecanismo, campanha pede boicote à Netflix

Por Felipe Demartini | 26 de Março de 2018 às 13h03
Tudo sobre

Netflix

A série O Mecanismo, estrelada por Selton Mello e mais recente produção original brasileira da Netflix, deu o que falar durante o final de semana – mas não pelos motivos desejados pelo serviço de streaming. Junto com o lançamento dos oito capítulos do seriado, começou a circular uma campanha de boicote ao serviço por conta da maneira pela qual os eventos da Operação Lava Jato são demonstrados.

A hashtag #CancelaNetflix começou a circular ainda na sexta-feira (23), data de estreia de O Mecanismo, mas ganhou força ao longo do final de semana na medida em que mais e mais gente assistia à produção original. Com ela, termos semelhantes começaram a ganhar tração – no momento em que esta reportagem é escrita, #OMecanismoCausando é o termo mais comentado do Twitter no Brasil, enquanto Jucá está entre o top 10 em diferentes capitais, como Curitiba e Rio de Janeiro.

Eleito pelo estado de Roraima e atual líder do governo no Senado Federal, a figura do político voltou ao centro das discussões devido à sua conversa relacionada ao “grande acordo nacional”, proferida durante a articulação política para impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff com o ex-senador Sérgio Machado.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Em O Mecanismo, entretanto, a conversa é atribuída ao personagem João Higino, que é interpretado por Arthur Kohl e representaria o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ela faz parte de uma articulação com empreiteiras para manter a presidente Janete Ruscov no poder e obstruir a investigação relacionada a um esquema de corrupção em uma estatal do ramo petrolífero, a PetroBrasil.

A própria Rousseff se posicionou, por meio do Twitter e depois em um comunicado oficial, contra o que considera ser a propagação de fake news pela série da Netflix. Para ela, O Mecanismo dá “novas cores à narrativa pró-Golpe, em uma visão distorcida da história” criada para ventilar mentiras sobre os eventos recentes da política nacional e atacar a ela e a Lula.

A cena se tornou um dos principais argumentos da campanha de cancelamento do serviço de streaming, que teve o crítico de cinema Pablo Villaça como um de seus principais apoiadores. Também pelo Twitter, ele revelou não apenas estar encerrando sua assinatura como o banimento da Netflix de uma coluna de indicações de filmes em serviços online.

Em resposta, outros usuários fizeram o mesmo, exibindo screenshots de e-mails de cancelamento e também indicando a motivação para a ação, mais uma vez citando a propagação de fake news e uma manipulação de eventos reais. Ao mesmo tempo, é claro, outros assinantes defendem a produção apontando a mensagem, exibida ao início de cada capítulo, de que O Mecanismo se trata de uma obra de ficção, apenas inspirada em fatos reais.

Apesar disso, O Mecanismo não esconde sua principal base, o livro Lava Jato: o Juiz Sérgio Moro e os Bastidores da Operação que Abalou o Brasil, de Vladimir Netto, que conta a história do início da operação. A trama começa 11 anos antes, quando o delegado da Polícia Federal Marco Ruffo, interpretada por Selton Mello, detona a investigação pela qual se veria obcecado, modificando sua vida e os rumos do país para sempre.

Criação de José Padilha, de Tropa de Elite e Narcos, a série original tem Carol Abras, Enrique Díaz, Lee Taylor, Jonathan Haagensen e Antonio Saboia no elenco. Os oito capítulos foram liberados de uma só vez neste fim de semana na Netflix, que ainda não se pronunciou sobre a polêmica.

Fonte: Twitter, Dilma Rousseff (site oficial)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.