Macs têm mais malwares do que Windows pela 1ª vez na história, segundo pesquisa

Por Claudio Yuge | 11 de Fevereiro de 2020 às 22h20
Cult of Mac

“Os computadores da Apple são mais seguros porque têm menos vírus que os PCs (Windows)” era uma frase comumente proferida por grande parte dos usuários de Macs há alguns anos. Ao longo das últimas temporadas, vimos essa declaração aos poucos desaparecer e, aparentemente, ela caiu por terra em 2020: segundo um novo estudo da companhia de segurança Malwarebytes, as ameaças para o macOS ultrapassaram as voltadas para Windows na taxa de 2:1 em 2019. Esta é a primeira vez na história em que isso acontece.

De acordo com o levantamento, o volume de malwares para os computadores da Maçã aumentou em mais de 400% na comparação ano a ano. Embora atribua parte desse número ao crescimento da base de usuários de Macs a empresa calculou o número de ameaças por terminal no macOS e no Windows — que estabelece a relação das pragas por máquina em tempo real, ou seja, pode ser que muitas delas se manifestem em apenas uma.

Imagem: Divulgação/Malwarebytes

Dessa forma, no ano passado a Malwarebytes detectou uma média de 11 malwares por terminal de Mac, em comparação com 5,8 por terminal de Windows. Em 2018, a presença nas máquinas da Maçã ficava no patamar de 4,8.

Quais as causas desse aumento?

A Malwarebytes diz que essa alta expressiva se dá, provavelmente, devido ao aumento da participação no mercado. À medida que mais pessoas usam computadores da Apple, elas se tornam mais atraentes para os criminosos. O relatório também observa que a segurança interna do macOS ainda precisa lidar melhor com adwares e outros programas que não causam tantos prejuízos, mas que também costumam incomodar bastante — os famosos PUPs. A maior parte das ameaças presentes em Macs são dessa natureza, e vêm em utilitários de “limpeza” que podem ser baixados gratuitamente, como os apontados no gráfico abaixo.

Imagem: Divulgação/Malwarebytes

Outro incômodo citado é o NewTab, que redireciona as pesquisas do navegador para obter “receita ilícita de afiliados” e é frequentemente disseminado por meio de páginas falsas de rastreamento de voos ou pacotes de viagens, mapas falsos e instruções de localização. Embora sejam menos perigosos, esses softwares maliciosos indicam que há uma escalada de agressividade em ciberataques ao sistema operacional da Maçã.

Os adwares também continuam sendo um problema para o Windows, com cerca de 24 milhões de detecções em PCs. Isso representa um aumento de aproximadamente 13% para os consumidores e de 463% para as empresas, na comparação com o ano passado — entre os atacantes mais perigosos estão o Emotet e Trickbot, dois tipos de botnets Trojan; além de novos ransomwares, incluindo Ryuk, Sodinokibi e Phobos.

Fonte: Gizmodo, Malwarebytes

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.