Golpe do Falso Pagamento é responsável por 40% das fraudes no 1º semestre

Golpe do Falso Pagamento é responsável por 40% das fraudes no 1º semestre

Por Dácio Castelo Branco | Editado por Claudio Yuge | 08 de Setembro de 2021 às 22h00
Elements/bernardbodo

A OLX, junto da AllowMe, divulgou um estudo sobre os principais golpes aplicados no comércio eletrônico no 1o semestre de 2021. A pesquisa analisou dados do mercado digital brasileiro, incluindo sites, apps e contas digitais no período de janeiro a junho. O Golpe do Falso Pagamento foi o mais citado na pesquisa, representando 42% dos casos observados.

O golpe do Falso Pagamento é uma atualização para os tempos atuais do golpe do Envelope Vazio, crime no qual o fraudador, querendo obter algum produto, apresenta ao vendendor um comprovante de depósito no caixa eletrônico, mas não coloca o dinheiro no envelope e o valor não é computado pelo banco.

Na versão atualizada para a era digital, o fraudador faz um falso comprovante de depósito com os dados da vítima e o envia por e-mail ou aplicativo de mensagem para o vendendor, que então realiza a entrega do produto negociado. Quando a vítima percebe o golpe, o criminoso já está com o produto e deixa de responder as mensagens.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Segundo o levantamento realizado pela OLX junto da AllowMe, o golpe do Falso Pagamento foi o responsável por um prejuízo estimado em cerca de R$ 6 milhões apenas no 1o semestre de 2021. Os produtos que mais foram procurados pelos criminosos foram celulares, presentes em 47% do total de ocorrências do golpe, seguido por videogames, com 19% e computadores, com 13%.

Como o fraudador se comporta

O estudo também apontou que a maioria dos golpes do Falso Pagamento são realizados por associações criminosas bem articuladas, que criam inúmeras contas falsas e que buscam atrair o maior número de vítimas, seja por anúncios ou por abordagens para comprar itens anunciados por contas legítimas.

Além disso, a pesquisa também mostrou que a incidência do uso de contas de e-mail comprometidas em vazamentos recentes para criação das contas falsas é maior que o uso de e-mails temporários ou envios realizados pelo Tor, navegador da Deep Web. Segundo o estudo, a cada 10 mil contas usadas para o golpe, 173 eram abertas com e-mails comprometidos, 14 eram feitas com e-mails temporários e somente uma era feita pelo Tor.

O horário de atuação dos fraudadores também foge da imagem que criminosos virtuais atuam durante a madrugada, com três em cada quatro golpes ocorrendo no período do meio-dia até meia-noite.

Prevenção

Embora a incidência de golpes do Falso Pagamento bem-sucedido venham aumentando, existem formas dos vendedores se prepararem para não serem vítimas da fraude. Confira as principais dicas:

  • Negocie sempre pelos chats das plataformas de compra e venda e evite aplicativos de mensagem. Fraudadores preferem ambientes digitais onde não poderão ser rastreados e não gostam de deixar rastro de suas atuações;
  • Desconfie de comprovantes de pagamento recebidos por mensagem ou e-mail, Sempre confira diretamente em seu banco ou na carteira digital;
  • Só entregue o produto após a confirmação do pagamento;
  • Desconfie de compradores apressados, essa é uma das táticas utilizadas para que a pessoa entregue o produto antes da confirmação do pagamento;
  • Fique atento aos e-mails recebidos dos sites. E-mails oficiais da empresa normalmente usam o nome da marca e não informações genéricas ou domínio de e-mails gratuitos;
  • Empresas também costumam ter o WhatsApp verificado, quando aparece um selo de confirmação que aquela conta é idônea. Se não tiver o selo, desconfie.



Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.