Brasil é o 3º país mais atingido por ataques de sequestro digital

Brasil é o 3º país mais atingido por ataques de sequestro digital

Por Felipe Demartini | Editado por Claudio Yuge | 29 de Setembro de 2021 às 18h20
Medium

O Brasil é o terceiro maior país em número de ataques de sequestro digital, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e da Índia. Os números são referentes apenas ao mês de agosto de 2021, com nosso território correspondendo a 15% dos 19,8 milhões de ataques que foram registrados no período, também recorde em número de famílias de pragas e, também, em detecções.

Os números são da Bitdefender e apresentam uma nova métrica sobre a ameaça global representada pelos ransomwares. O alcance, normalmente, é medido em milhões de dólares em resgates pagos ou total de ataques realizados; agora, podemos falar também em amostras, com a empresa especializada em segurança identificando 250 famílias diferentes em atuação no mundo durante o último mês.

De acordo com os números dos especialistas em segurança, 60% dos ataques registrados em agosto foram realizados a partir de pragas das três maiores famílias em atuação: WannaCryptor (30%), Stop/DJVU (19%) e Phobos (15%), nesta ordem. O levantamento também afirma que 40% dos golpes tinham setores específicos na mira, com o de telecomunicações sendo o mais afetado, com 51% dos casos em que uma ameaça direcionada pôde ser detectada; as empresas de mídia (27%) e tecnologia (7%) completam o ranking.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Brasil aparece em terceiro no ranking dos países mais atingidos por golpes de sequestro digital, em um mês de agosto marcado por aumento nas detecções e recorde na localização de famílias de malware (Imagem: Divulgação/Bitdefender)

Variações e modificações dos códigos originais também ampliam esse alcance, com os sistemas da empresa especializada tendo detectado mais de 400 novas ameaças e 30 bilhões de sinais de perigo em agosto. Os números foram altos mesmo com o hiato de um dos principais bandos de sequestro digital do mundo, o REvil, que interrompeu temporariamente suas atividades antes de retornar à carga neste mês de setembro.

Confirmando cada vez mais a ameaça global dos ransomwares, a Bitdefender afirma que ataques foram registrados contra empresas de 174 países. A tendência, segundo os especialistas, é que o número de detecções apenas aumente com a popularidade das principais famílias de sequestradores digitais e o retorno de grupos criminosos famosos, todos explorando, principalmente, golpes de engenharia social e vulnerabilidades em redes e computadores que já são conhecidas e, muitas vezes, até corrigidas, mas cujas atualizações não foram aplicadas por administradores.

Fonte: Bitdefender

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.