Android tem mais de 170 falsos mineradores de criptomoedas que roubam dinheiro

Android tem mais de 170 falsos mineradores de criptomoedas que roubam dinheiro

Por Felipe Gugelmin | Editado por Claudio Yuge | 08 de Julho de 2021 às 17h20
Reprodução/TMF Group

Os grandes lucros possibilitados pelos investimentos em criptomoedas estão ajudando golpistas a roubar dinheiro de pessoas que querem ingressar nesse universo. Segundo uma análise conduzida pelo Lookout, mais de 170 aplicativos falsos para o Android prometem transformar celulares em máquinas de mineração, mas na verdade roubam o dinheiro das vítimas.

O comportamento dos criminosos é sempre semelhante: os aplicativos oferecidos prometem usar o poder dos dispositivos móveis para minerar criptomoedas. Esse processo consiste em resolver problemas computacionais e criptográficos que, em troca, rendem o recebimento de moedas virtuais.

Imagem: Divulgação/Lookout

No entanto, na prática não há nenhuma mineração acontecendo: após pagar uma taxa para ter acesso aos softwares prometidos, as vítimas ganhavam em troca ferramentas que não faziam nada do que prometiam. Segundo os pesquisadores da Lookout, os golpes se dividem em duas categorias:

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

  • CloudScams — prometem usar o poder da nuvem para realizar a mineração de criptomoedas, e costumam ser os golpes cujos criadores mais se preocupam em passar uma aparência de legitimidade;
  • BitScams — prometem usar hardwares virtuais no processo, cobrando entre US$ 12,99 a US$ 259,99 (entre R$ 67 e R$ 1.358) pelo acesso a eles. Geralmente prometem grandes retornos em um prazo de tempo curto.

A empresa de segurança alerta que há sinais de que grupos rivais estão competindo pelo mercado dos aplicativos falsos, e que pelo menos 93 mil pessoas já foram prejudicadas — os ganhos dos criminosos já ultrapassam US$ 350 mil (R$ 1,8 milhão) até o momento. Os pagamentos são obtidos por eles via Google Play ou por carteiras que abrigam criptomoedas como o Bitcoin e o Ethereum.

Imagem: Divulgação/Lookout

“O que permitiu que os aplicativos BitScam e CloudScam passassem despercebidos é que eles não fazem nada relativamente malicioso”, explica a Lookout. “Na verdade, eles quase não fazem nada. São simplesmente conchas para arrecadar dinheiro por serviços que não existem”.

Após ser alertado da existência dos apps, o Google removeu 25 deles de sua loja para o Android. No entanto, ameaças do tipo continuam sendo distribuídas por meios alternativos, então é preciso tomar cuidado com qualquer promessa suspeita semelhante para não se tornar mais uma vítima do golpe.

Fonte: ZDNet, Lookout

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.