Publicidade

Vírus podem estar por trás do Alzheimer, alerta estudo

Por| Editado por Luciana Zaramela | 01 de Agosto de 2022 às 16h30

Link copiado!

alexstand/envato
alexstand/envato

Vírus comuns podem estar por trás do surgimento de Alzheimer, segundo um artigo publicado na revista científica Journal of Alzheimer's Disease. Os cientistas desenvolvram um modelo tridimensional de tecidos humanos para imitar o cérebro, e apontaram uma possível relação entre a doença e os vírus por trás da varicela e da herpes zoster.

O artigo aponta que o vírus varicela zoster (VZV) fica adormecido dentro dos neurônios do cérebro, mas quando é ativado, leva ao acúmulo de proteínas tau e beta-amilóide, além de perda da função neuronal, características encontradas em pacientes com Alzheimer.

A teoria é que esse vírus cria gatilhos inflamatórios no cérebro, e é possível que esses efeitos levem à doença. Estudos anteriores já apostavam nessa relação, mas os cientistas ainda não sabiam a sequência de eventos que os vírus criam para desencadear a condição. Com a publicação do artigo, a equipe acredita ter reunido evidências desses eventos.

Continua após a publicidade

O vírus varicela zoster é extremamente comum, com cerca de 95% das pessoas infectadas antes dos 20 anos. Muitos desses casos são expressos como catapora. Mais tarde na vida, o vírus pode ser reativado para causar herpes zoster, uma doença caracterizada por bolhas e nódulos na pele.

A ligação entre o vírus e o Alzheimer só ocorre quando reativado para causar feridas, bolhas e outras condições inflamatórias dolorosas. Nos experimentos, os pesquisadores observaram que as amostras infectadas pelo vírus começaram a produzir um nível mais alto de citocinas, proteínas que muitas vezes estão envolvidas no desencadeamento de uma resposta inflamatória.

Ciclos repetidos de ativação podem levar a mais inflamação no cérebro, produção de placas e acúmulo de danos neuronais e cognitivos. A informação pode levar a ciência a entender melhor os mistérios por trás do Alzheimer.

Continua após a publicidade

Fonte: Journal of Alzheimer's Disease via Medical Xpress