Vacinas devem funcionar contra nova mutação do coronavírus, defendem cientistas

Por Fidel Forato | 21 de Dezembro de 2020 às 17h45
fernando zhiminaicela/Pixabay

Nos últimos dias, uma série de países proibiu voos do Reino Unido após a descoberta de uma nova cepa do vírus da COVID-19. Buscando barrar o contágio dessa nova variação do coronavírus SARS-CoV-2, a Itália, a Alemanha, o Canadá e Israel já adotaram uma estratégia para o fechamento das fronteiras. Mesmo que tenha maior probabilidade de transmissão, pesquisadores apontam que as vacinas atuais ainda devem funcionar contra essa mutação.

Mesmo com a esperada eficácia de vacinas contra a nova variante do vírus da COVID-19, o governo britânico também adotou medidas mais severas contra o contágio, principalmente nas regiões com mais casos da mutação detectados, o sudeste e o leste da Inglaterra. "Não podemos continuar com o Natal como planejado", afirmou o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, em pronunciamento na TV no último sábado (19). "Pode ser até 70% mais transmissível do que a variante antiga", completou. No entanto, ainda não há nenhuma evidência de que as infecções sejam mais graves, apenas mais transmissíveis.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Vacinas contra a COVID-19 devem imunizar contra a nova mutação do coronavírus (Imagem: Cottonbro/ Pexels)

Por que vacinas devem funcionar contra a mutação?

“Há uma forte convicção de que a vacina, tal como existe hoje [...] terá eficácia em evitar a infecção desta nova cepa na Inglaterra, além da cepa antiga, contra a qual estamos lutando há meses”, defendeu o médico e professor assistente da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, Vin Gupta. Para o pesquisador, em termos genéticos, a nova cepa do coronavírus deve ser “muito semelhante” às cepas anteriores.

Outra importante questão é que as vacinas já aprovadas (Pfizer e Moderna) provocam uma “resposta realmente forte no corpo em termos de produção de anticorpos”, afirmou o especialista para a rede de TV CNBC. Isso porque os dois imunizantes apresentaram uma taxa de eficácia de mais de 90% nos estudos clínicos de fase 3 apresentados.

“A eficácia dessas vacinas na produção de anticorpos que podem realmente atacar e matar a COVID-19 é extraordinária”, ressaltou. “Não espero que essas pequenas mudanças em nível genético [...] afetem o desempenho das vacinas no curto prazo”, completou o professor. Isso porque, no futuro, Gupta aposta que a vacina contra o coronavírus precisará ser atualizada, como é anualmente a da gripe comum.

Mutações da COVID-19

O professor de imunologia do Imperial College London, Danny Altmann, lembrou que mutações em vírus são comuns e fazem parte do processo desde o início da pandemia da COVID-19. No entanto, a nova variante acumula pelo menos 17 mutações — supostamente responsáveis pela sua maior transmissibilidade — desde o primeiro coronavírus SARS-CoV-2 descoberto no final do ano passado.

Nova variante do coronavírus pode ser controlada pelas vacinas existentes (Imagem: Diese lizenzfreien Fotos darfst du zwar verwenden/ Pixabay)

“Estou preocupado porque, desde o início, vimos mutações ocorrerem em todo o mundo, muitos milhares delas, mas esta [variante] tem mais mutações do que qualquer variante que vimos antes”, destacou Altmann. No entanto, o professor defendeu que, devido à variedade de anticorpos neutralizantes induzidos pelos imunizantes disponíveis, é improvável que a nova cepa seja resistente à imunização.

“Não há razão para acreditar que as vacinas que foram desenvolvidas não serão eficazes contra [a nova cepa do Reino Unido], também”, comentou, ainda, o novo cirurgião-geral dos EUA, Dr. Vivek Murthy. “A questão é: se você está em casa e está ouvindo essas notícias, isso não muda o que fazemos, como indivíduos, para reduzir a propagação desse vírus”, destacou Murthy. Nesse sentindo, o médico lembrou da importância de usar máscaras, manter o distanciamento e realizar a constante higiene das mãos.

Fonte: CNBC e BBC   

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.