Vacina da Moderna contra variante da África do Sul está pronta para testes

Vacina da Moderna contra variante da África do Sul está pronta para testes

Por Nathan Vieira | 25 de Fevereiro de 2021 às 14h45
Daniel Schludi/Unsplash

Em meio à pandemia, as variantes do coronavírus são o que mais tem preocupado os especialistas nos últimos tempos. Com a intenção de lidar especificamente com a variante da África do Sul, a empresa americana de biotecnologia Moderna decidiu investir numa vacina, e na última quarta-feira (25), anunciou que o imunizante já está pronto para os testes em humanos.

Intitulada 501Y.V2, a variante sul-africana do SARS-CoV-2 é apontada pelos especialistas como a mais perigosa, levando em consideração que  é capaz de escapar de alguns dos bloqueios que os anticorpos estabelecem contra as versões "tradicionais" do coronavírus. Acredita-se que pessoas infectadas anteriormente com as outras variantes podem ser mais suscetíveis a voltar a desenvolver COVID-19 com a 501Y.V2. Os especialistas também levantam um alerta de que a proteção da primeira geração de vacinas é menor contra a variante da África do Sul.

A Moderna investe, desde o ano passado, em uma vacina contra a COVID-19 chamada de mRNA-1273, que já teve inclusive anunciada a taxa de de eficácia na prevenção da doença (94,5%). O imunizante adota técnicas atuais da biotecnologia para promover a imunização contra a COVID-19 e desenvolve uma vacina de RNA mensageiro. Dessa forma, o corpo começa a produzir proteínas virais, mas não o vírus inteiro, o que é suficiente para treinar o sistema imunológico para atacar o vírus da COVID-19.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Vacina da Moderna contra variante 501Y.V2

Vacina da Moderna contra variante da África do Sul (501Y.V2) está pronta para a realização de testes em seres humanos (Imagem: CDC / Unsplash)

A farmacêutica anunciou que sua vacina contra a COVID-19, que já se encontra inclusive em fase de distribuição, é capaz de neutralizar a variante sul-africana, mas que mesmo assim decidiu aplicar mais de uma estratégia, no estilo "melhor prevenir do que remediar". A farmacêutica ainda ressalta que uma possível estratégia contra a variante sul-africana pode ser o uso do novo imunizante como uma dose de reforço, combinada com as duas doses da atual vacina contra a COVID-19.

"Esperamos ansiosos pelo início dos testes clínicos", declarou Stéphane Bancel, diretor-executivo da Moderna. Vale notar que a empresa ainda anunciou aumento da expectativa de produção de vacinas em 2021 para 700 milhões de doses no mundo todo, e ainda tem em vista outras melhorias em seu processo de manufatura que poderiam elevar a produção para até 1 bilhão de doses.

Segundo a empresa, há um investimento em sua capacidade adicional de fabricação, o que deve levar sua produção global em 2022 para cerca de 1,4 bilhão de doses. Lembrando que, em janeiro, os Estados Unidos descobriram o primeiro caso da variante sul-africana e, desde então, ela apareceu em diversos estados. Estudos sugerem que ela pode ser mais resistente às vacinas existentes do que outras variantes do coronavírus. Felizmente, por enquanto, o Ministério da Saúde não confirmou um caso da 501Y.V2 no Brasil, mas algumas outras variações já foram encontradas em São Paulo e no Amazonas.

Fonte: The Wall Street Journal

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.