3ª dose "não é um luxo" e protege os vulneráveis, aponta divisão europeia da OMS

3ª dose "não é um luxo" e protege os vulneráveis, aponta divisão europeia da OMS

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 30 de Agosto de 2021 às 16h20
Ckstockphoto/Envato Elements

No combate ao coronavírus SARS-CoV-2, muitos países discutem a adoção da terceira dose das vacinas contra a COVID-19. No entanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) mantém um posicionamento bastante claro sobre a questão: ainda é cedo. No entanto, o entendimento parece não ser mais consenso dentro da entidade com o novo posicionamento da divisão europeia.

De forma geral, a OMS defende que as vacinas cheguem ao maior número de pessoas do globo, o que ainda não ocorre hoje. Isso porque apenas 1,6% das pessoas em países de baixa renda receberam pelo menos uma dose, segundo dados da plataforma Our World in Data.

Membro da OMS defende a terceira dose da vacina contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/FabrikaPhoto/Envato Elements)

Nesse cenário de desigual ao acesso de vacinas contra a COVID-19, a terceira dose foi classificada, durante a semana passada, como um “erro técnico, moral e político” pelo diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. Um dos argumentos é de que, sem o controle global da pandemia e da distribuição mais igualitária dos imunizantes, novas variantes do coronavírus vão surgir e, constantemente, ameaçarão as proteções fornecidas pelas vacinas.   

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Posição sobre a terceira dose do diretor regional da OMS na Europa

Nesta segunda-feira (30), o diretor regional da OMS na Europa, Hans Kluge, discordou publicamente dos posicionamentos defendidos, até agora, pela organização. Durante entrevista coletiva, Kluge afirmou que “uma terceira dose da vacina não é um reforço de luxo retirado de alguém que ainda está esperando pela primeira injeção; é basicamente uma forma de manter os mais vulneráveis ​​seguros”.

De acordo com Kluge, a combinação de altas taxas de transmissão do coronavírus — desencadeada pela variante Delta, descoberta pela primeira vez na Índia — e a cobertura vacinal relativamente baixa na Europa era “profundamente preocupante”. Inclusive, alguns países do continente já observam um aumento nas admissões hospitalares e as mortes em toda a região.

Nesse sentido, Kluge defendeu que as autoridades de saúde devem “examinar muito de perto o que determina a adoção da vacinação para determinados grupos populacionais [como a queda da imunidade] e, em seguida, estabelecer intervenções sob medida para impulsionar a adoção [da vacinação]”.

“A estagnação na absorção da vacina na região é uma preocupação séria”, disse ele. “Agora que as medidas de saúde pública e sociais [contra a COVID-19] estão sendo relaxadas em muitos países, a aceitação da vacinação pública é crucial para evitar uma transmissão maior, doenças mais graves, um aumento nas mortes e um risco maior de novas variantes”, ressaltou sobre os novos riscos da pandemia.

Em paralelo, "há uma necessidade clara de aumentar a produção, compartilhar doses e melhorar o acesso à vacina”, comentou Kluge sobre a necessidade de maior distribuição de imunizantes contra a COVID-19 para todo o globo.

Fonte: The Guardian  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.