O que é e quais são as causas da síndrome vasovagal

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 19 de Maio de 2021 às 18h21
LightFieldStudios/Envato Elements

Fraqueza, transpiração, palidez, calor, náuseas, tontura, borramento visual, dor de cabeça e ainda palpitações podem ser os primeiros sinais de uma síncope vasovagal. Mas você sabe o que esse nome "diferentão" significa? A síncope, por definição, é a perda transitória da consciência, o que também é conhecido como desmaio. Quando uma pessoa sofre, repetidamente, com esses desmaios, ela pode ser diagnosticada com a síndrome vasovagal.  

A condição é conhecida pela ciência há cerca de 90 anos e uma das primeiras pessoas a descrevê-la como desmaios comuns (acompanhados por bradicardia e hipotensão) foi Sir Thomas Lewis, no ano de 1932. De forma geral, pessoas que convivem com a síndrome podem levar uma vida saudável, desde que estejam atentas aos sinais que o corpo emite em situações de estresse físico ou emocional, por exemplo.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Síndrome vasovagal é conhecida por causar perda de consciência e diminuição dos batimentos cardíacos (Imagem: Reprodução/Bialasiewicz/Envato Elements)

O que acontece na síndrome vasovagal?

O desmaio é uma consequência da diminuição da pressão arterial e dos batimentos cardíacos em decorrência da ação do nervo vago, que está localizado na região da nuca. Normalmente, essa mudança em seu comportamento é desencadeada pela demora na chegada de sangue ao coração e ao cérebro. Nesse sentido, algumas situações estressantes, como ansiedade, jejum prolongado ou passar horas em pé, podem afetá-lo diretamente.

Segundo texto disponibilizado pelo Ministério da Saúde, não existe um tratamento específico para a síndrome vasovagal. Dependendo do caso do paciente, alguns medicamentos podem ser receitados, como medicação para evitar a queda da pressão arterial. No entanto, as principais medidas de controle tendem a ser comportamentais.

Além disso, a síndrome não é sinônimo de uma doença orgânica, mas é importante que outros possíveis diagnósticos sejam verificados, como epilepsia, neuropatias autonômicas e doença cerebrovascular, por exemplo.

Orientações para quem sofre com a síndrome vasovagal 

Quem foi diagnosticado com a síndrome pode adotar uma série de medidas para evitar casos de desmaio e a perda da consciência. Segundo artigo publicado da Saúde, o indivíduo deve:

  • Evitar ficar em pé por longos intervalos de tempo;
  • Beber água de forma constante, já que o líquido aumenta a pressão arterial de forma natural;
  • Evitar bebidas que desidratem o corpo, como o uso excessivo de álcool;
  • Evitar ambientes com baixa circulação de ar e quentes;
  • Movimentar os membros inferiores enquanto estiver em pé;
  • Caso sinta algo estranho, a pessoa deve se deitar e elevar as pernas;
  • Se possível, em momentos de fraqueza (antes do desmaio), a pessoa já deve se deitar para evitar que se machuque com a queda.

Fonte: Ministério da Saúde e SOCERJ   

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.