Remédio para tratar covid pode ficar pronto no final do ano

Remédio para tratar covid pode ficar pronto no final do ano

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 27 de Setembro de 2021 às 15h05
Danilo Alves/Unsplash

Desde que a pandemia começou, os especialistas têm se juntado em prol de duas soluções contra a covid-19: vacinas, que inclusive já estão em vigor em diversos países, e remédios, que ainda são motivo de análises e até controvérsias. No entanto, atualmente, pesquisadores estão desenvolvendo uma pílula que, segundo eles, pode permitir que as pessoas tratem a covid-19, contendo sua transmissão para outras pessoas. E detalhe: essa pílula pode estar pronta no final deste ano.

No momento, há três tratamentos antivirais para a doença em testes clínicos, de acordo com a NBC. O tratamento em si provavelmente seria um regime de pílulas diárias tomadas por via oral que combateriam a covid logo após o diagnóstico. Esses tratamentos funcionariam de forma semelhante aos antivirais usados ​​para combater as infecções da hepatite C, herpes, HIV e influenza, interrompendo a capacidade do vírus de se replicar no corpo humano.

Esses três medicamentos consistem em um da Merck e Ridgeback Biotherapeutics, um da Pfizer e outro da Roche e Atea Pharmaceuticals. Se os resultados dos testes forem positivos, o uso emergencial provavelmente será concedido nos EUA e a distribuição pode começar rapidamente, segundo Carl Diefenbach, um dos diretores do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA, em entrevista à NBC.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

(Imagem: HalGatewood/Unsplash)

No entanto, os pesquisadores afirmam que não tem sido uma tarefa fácil. Um contratempo encontrado é o recrutamento de participantes dispostos a tomar os medicamentos, uma vez que cada ensaio requer centenas de participantes em cinco dias após o teste positivo para covid. Os pacientes também precisam ser não vacinados e estar dispostos a se inscrever nos estudos.

Fonte: NBC via Futurism

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.