SAIU O RESULTADO DO SORTEIO DO PRÊMIO CANALTECH!CONFERIR
Publicidade

Por que o ser humano grita de dor?

Por| Editado por Luciana Zaramela | 29 de Outubro de 2022 às 16h00

Link copiado!

Christian Erfurt/Unsplash
Christian Erfurt/Unsplash

Você já se perguntou por que o ser humano grita de dor? Estudos sugerem que a comunicação não-verbal é composta de padrões de atividade tão familiares que nem sempre pensamos em seus propósitos. Trata-se de uma ferramenta evolutivamente útil.

Um estudo de 2003 observou que, para alguns adultos, expressões e vocalizações de dor duravam mais quando havia pessoas ao redor. Isso sugere que um dos propósitos do grito de dor, ainda que aparentemente involuntário, pode ser comunicar as necessidades de dependência.

Neste ano, uma pesquisa publicada na revista Current Biology sugeriu que ouvir um grito pode ativar os circuitos de medo do cérebro, agindo como um sinal de alerta. A equipe descobriu que os gritos são enviados do ouvido para a amígdala, área responsável por processar o medo.

Continua após a publicidade

“Nas partes do experimento com imagens cerebrais, os gritos ativam os circuitos de medo do cérebro. A amígdala é um núcleo no cérebro especialmente sensível às informações sobre o medo", afirmam os pesquisadores.

Isso significa que os gritos são inerentemente considerados não apenas como som, mas como um gatilho para aumentar a consciência. Para entender isso melhor, no estudo, a equipe fez voluntários ouvirem diferentes sons de alarme.

Os cientistas descobriram que as pessoas respondiam aos alarmes com variações semelhantes: quanto mais os alarmes variavam em taxas mais altas, mais aterrorizantes eram considerados. Isso pode ser uma pista de como nosso cérebro processa sons de perigo.

Continua após a publicidade

A conclusão é que o ser humano grita não apenas para transmitir perigo, mas também para induzir medo no ouvinte e aumentar a consciência tanto da própria pessoa que gritou quanto do ouvinte, para responder ao seu ambiente.

Fonte: Live Science, Time, Current Biology