SAIU O RESULTADO DO SORTEIO DO PRÊMIO CANALTECH!CONFERIR
Publicidade

Por que a dor nos faz perder o apetite?

Por| Editado por Luciana Zaramela | 29 de Novembro de 2022 às 11h23

Link copiado!

 Sander Dalhuisen/Unsplash
Sander Dalhuisen/Unsplash

Em novo estudo publicado na revista Nature Metabolism, pesquisadores revelam por que a dor nos faz perder o apetite. Para isso, o grupo de cientistas injetou bactérias que provocaram dor crônica em roedores, que ao longo de dez dias, passaram a se alimentar com menos frequência e por períodos bem mais curtos em comparação com os outros.

Quando esse grupo de camundongos recebeu medicação para dor, voltou a se alimentar normalmente. Para entender a atividade neuronal responsável por essa mudança de comportamento, os pesquisadores analisaram os cérebros enquanto os animais sofriam de dor crônica, e encontraram sinalização de neurônios no córtex cingulado anterior, uma região do cérebro que processa a dor no córtex pré-frontal.

Para determinar se essa sinalização estava relacionada à perda de apetite, a equipe administrou uma substância química que impede a sinalização neuronal no córtex cingulado anterior. Com isso, o apetite dos camundongos melhorou.

Continua após a publicidade

O córtex pré-frontal geralmente não está associado ao controle do apetite, então para entender melhor como os neurônios no córtex cingulado anterior podem influenciar o apetite, a equipe injetou várias substâncias rastreáveis ​​nesses neurônios. Na prática, foi revelado que os sinais desses neurônios levavam à área hipotalâmica lateral, o “centro de alimentação” do cérebro.

Exames com microscópios confirmaram que esses neurônios estavam ativos nos camundongos com dor crônica. Quando os pesquisadores usaram produtos químicos para interromper a atividade neuronal nesse córtex, o apetite dos camundongos melhorou.

Os pesquisadores esperam que um circuito cerebral semelhante esteja em ação em humanos, que também costumam comer menos e perder peso se tiverem dor crônica. Com mais pesquisas, os cientistas esperam poder ajudar no desenvolvimento de analgésicos mais eficientes.

Continua após a publicidade

Fonte: Nature Metabolism via New Scientist