Pfizer pede autorização aos EUA para vacinar menores de 12 anos contra covid-19

Pfizer pede autorização aos EUA para vacinar menores de 12 anos contra covid-19

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 27 de Setembro de 2021 às 16h33
Davidpereiras/Envato Elements

A vacina contra covid-19 em adolescentes a partir dos 12 anos já é uma realidade em vários países. No entanto, no último domingo (26), o presidente e CEO da Pfizer, Albert Bourla, revelou que a empresa pretende enviar dados sobre o imunizante em crianças de 5 a 11 anos à FDA (Food and Drug Administration, agência de fármacos e alimentos dos EUA) dentro de alguns dias.

“É uma questão de dias, não de semanas”, afirmou Bourla, durante entrevista ao ABC News. Assim que os dados fornecidos pela Pfizer/BioNTech de fato estiverem disponíveis, os próximos passos envolvem passar por dois comitês: um para a FDA e outro para o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA). Isso significa que, caso os dados sejam enviados ainda nesta semana, provavelmente estarão no comitê no final de outubro.

"Estamos ansiosos para estender a proteção conferida pela vacina a essa população mais jovem, sujeita a autorização regulatória, especialmente porque rastreamos a disseminação da variante Delta e a ameaça substancial que ela representa para as crianças", disse o presidente e CEO da Pfizer.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Mas há alguns desafios, além da burocracia. Acontece que, nos EUA, menos da metade dos adolescentes está totalmente vacinada contra a covid-19. Por isso, educar o público sobre a importância da vacinação ainda tem sido um "obstáculo" a ser enfrentado dia após dia pelas autoridades americanas.

(Imagem: Garakta-Studio/Envato Elements)

Na ocasião, Bourla também comentou que é possível esperar um retorno à normalidade em aproximadamente um ano: “Concordo que, dentro de um ano, seremos capazes de voltar à vida normal”, afirmou. Em suas palavras, isso não significa que as variantes da covid-19 deixarão de existir ou que não serão necessárias novas doses de vacinas. "Acho que o cenário mais provável é a revacinação anual, mas não sabemos ao certo. Precisamos esperar para ver os dados”, concluiu.

Fonte: CNN, ABC News

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.