Pesquisa da USP procura voluntários para testar vacina contra o HIV

Pesquisa da USP procura voluntários para testar vacina contra o HIV

Por Fidel Forato | 04 de Dezembro de 2020 às 19h00
Thirdman/Pexels

Pesquisadores e cientistas trabalham, há anos, em maneiras eficientes de combater o vírus da imunodeficiência humana (HIV), inclusive na prevenção da infecção e das eventuais complicações, como a AIDS. Nesse cenário, a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) busca voluntários no Brasil para testar uma vacina contra o HIV. Caso se verifique a sua eficácia e segurança, este será um feito inédito para a ciência.

O estudo da USP é chamado, oficialmente, de Mosaico — e foi iniciado há cinco anos, de forma cooperativa, com instituições de outros países. Até o momento, os voluntários que receberam a vacina conseguiram produzir satisfatoriamente anticorpos e imunidade contra a infecção do HIV. A pesquisa já foi aprovada na fase pré-clínica, animal, e fases 1 e 2 em humanos.

Pesquisa da USP procura voluntários para testar vacina contra o HIV (Imagem: Reprodução/ Anna Shvets/ Pexels)

Quem pode receber a vacina contra o HIV?

No Brasil, cerca de 920 mil pessoas vivem com o vírus da imunodeficiência humana (HIV), segundo dados levantados pelo Ministério da Saúde. Diante desses casos, a nova pesquisa da USP seleciona como voluntários homens gays ou bissexuais cisgêneros e homens ou mulheres transexuais entre 18 e 60 anos.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Para promover a eventual imunização contra o HIV, a tecnologia empregada na vacina em desenvolvimento é a de vetor, ou seja, são injetadas informações genéticas de proteínas identificadoras do HIV dentro de um outro vírus, inofensivo a seres humanos. Por exemplo, esta técnica é adotada por algumas vacinas, também em desenvolvimento, contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2), como o imunizante de Oxford.

Quando o indivíduo é vacinado com o imunizante experimental contra o HIV, o vírus inserido no organismo se multiplica e faz com que o corpo da pessoa reaja às proteínas que foram injetadas em seu material genético, produzindo anticorpos. Assim, o vacinado produz tanto a resposta imune contra proteínas do vírus inofensivo quanto outra resposta imune contra as do HIV.

Para participar da pesquisa, os interessados devem entrar em contato com o Programa de Educação Comunitária da USP ou por e-mail.

Fonte: Agência Brasil  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.