OMS recomenda reforço da CoronaVac para quem tem mais de 60 anos

OMS recomenda reforço da CoronaVac para quem tem mais de 60 anos

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 13 de Outubro de 2021 às 10h57
Degroote-Stock/Envato Elements

Na segunda-feira (11), a Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a recomendar a dose de reforço da vacina Coronavac — desenvolvida pela farmacêutica Sinovac contra a covid-19 — e da Sinopharm para pessoas com 60 anos ou mais. Além disso, imunossuprimidos vacinados com qualquer fórmula estão aptos a receber terceira dose contra o coronavírus SARS-CoV-2. 

Só que a OMS ainda orienta que os países priorizem a vacinação de toda a população com as duas doses, antes da aplicação dos reforços contra a covid-19. "Ao implementar esta recomendação, os países devem inicialmente ter como objetivo maximizar a cobertura de 2 doses nessa população e, posteriormente, administrar a terceira dose, começando nos grupos de idade mais avançada", afirmou.

OMS passa a recomendar a terceira dose da CoronaVac para quem tem mais de 60 anos (Imagem: Reprodução/Erika8213/Envato Elements)

De acordo com o Grupo Consultivo Estratégico de Especialistas (SAGE) da OMS, a recomendação da terceira dose foi baseada em estudos da América Latina que indicam a redução de eficácia das vacinas de vírus inativado ("morto") com o passar dos meses. Por exemplo, um destes estudos foi o do Chile. Quando disponível, a terceira dose deve ser aplicada entre um a três meses do esquema vacinal anterior (2 doses).

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Doses de reforço para idosos e imunocomprometidos

Além do reforço para os idosos, o SAGE também comentou que pessoas com determinados níveis de imunossupressão deveriam receber uma dose de reforço de qualquer uma das vacinas aprovadas em caráter de emergência pela OMS, quando disponíveis. Nesta lógica, entram as seguintes fórmulas: Covishield (AstraZeneca/Oxford); Moderna; (Janssen Johnson & Johnson); e Pfizer/BioNTech.

“Este grupo está menos propício a responder adequadamente ao esquema inicial de vacinação e tem alto risco para desenvolvimento de casos de covid-19”, informou o grupo associado à OMS, em nota.

Agora, uma nova reunião com o comitê foi marcada para o dia 11 de novembro. O objetivo do encontro será discutir novas recomendações globais de doses de reforço contra a covid-19. O desafio será equilibrar a aplicação da terceira dose, enquanto a maioria dos países pobres não aplicaram nem a primeira em metade de suas populações.

Fonte: Reuters CNN  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.