Publicidade

Óculos especiais restauram visão de pacientes com degeneração macular

Por| Editado por Luciana Zaramela | 14 de Fevereiro de 2022 às 10h46

Link copiado!

twenty20photos/envato
twenty20photos/envato

Já não é de hoje que os cientistas se concentram em descobrir métodos para devolver a visão às pessoas, com o auxílio da tecnologia. É o caso de um grupo de Stanford (EUA), que desenvolveu óculos especiais capazes de restaurar parte da capacidade visual de pacientes com degeneração macular, uma doença ocular que afeta a área central da retina. Novas descobertas foram publicadas no último dia 26, na revista científica Nature Communications.

Na criação dos óculos, em 2020, os cientistas concluíram que eles poderiam restaurar a visão limitada no centro do campo visual. No estudo recente, o grupo descobriu que essa visão protética se integrava naturalmente à visão periférica dos pacientes, que não era afetada pela doença. Os resultados sugerem que o tratamento pode ser usado para restaurar a visão funcional.

Na prática, a degeneração macular faz com que os pacientes percam gradualmente a visão no centro do campo visual, e a visão periférica restante tem baixa resolução, de modo que os pacientes diagnosticados com a doença tenham dificuldade até para reconhecer rostos.

Continua após a publicidade

Os especialistas explicam, no artigo, que a doença afeta as células fotorreceptoras, que revestem a parte de trás do olho, detectam a luz e enviam sinais para neurônios da retina, responsáveis por enviar a mensagem para o cérebro. Quando as células fotorreceptoras ficam prejudicadas, o cérebro não recebe mais as informações necessárias para criar a imagem.

Óculos especiais que restauram a visão

Os óculos contam com um chip que envia sinais elétricos através da rede neural da retina para o cérebro, restaurando a percepção do campo visual. O objeto também possui uma câmera de vídeo que transmite as imagens para o chip, tudo com a proposta de suprir a ausência dessas células fotorreceptoras.

A seguir, veja uma ilustração de como funciona:

O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

Atualmente, a prótese é limitada e permite que os pacientes identifiquem letras grandes. Os pesquisadores reconhecem que, para torná-lo um dispositivo realmente útil e prático, ainda é preciso melhorar a resolução, por isso trabalham no desenvolvimento de um novo chip, que possa fornecer uma visão mais aprimorada.

A Stanford University revela que estudos futuros também testarão os implantes em ambientes mais naturais, com a participação de mais pacientes e por períodos mais longos.

Fonte: Nature Communications via Stanford