Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

O que fazer após ser picado por uma cobra?

Por| Editado por Luciana Zaramela | 03 de Maio de 2022 às 19h05

Link copiado!

Kjwells86/Envato Elements
Kjwells86/Envato Elements

Picada de cobra costuma causar bastante dor e, quando a serpente é venenosa, o risco para a saúde aumenta significativamente. Diante do problema, a pessoa deve procurar imediatamente ajuda médica e, se possível, deve levar algumas fotos do animal. A medida ajuda na identificação da espécie e facilita o diagnóstico para a definição do melhor tratamento.

Em 2020, o Brasil registrou 31.395 acidentes com serpentes, sendo que 121 levaram as vítimas ao óbito, segundo dados do Ministério da Saúde. Apesar das mortes, médicos podem contar com um tratamento altamente eficaz para o envenenamento, o soro antiofídico. No país, este medicamento é produzido há mais de um século pelo Instituto Butantan.

Continua após a publicidade

O que acontece após a picada?

Diferentes sinais e sintomas podem ser relatados por uma pessoa após uma picada de cobra. Entre os primeiros indicativos, estão a dor e o inchaço no local. Só que os indivíduos também podem apresentar:

  • Sangramentos em outras partes do corpo;
  • Dores musculares;
  • Complicações neurológicas, como visão dupla e pálpebras caídas.

Cuidado com crendices

Continua após a publicidade

O tratamento para a picada de cobra é o soro, mas, enquanto a pessoa não chega ao hospital e recebe a medicação, alguns crendices populares são incentivadas. O problema é que algumas dessas coisas podem ter o efeito oposto de aliviar a dor e reduzir o perigo.

Por exemplo, um erro muito comum é fazer torniquete — também conhecido como garrote — no local da picada. Em tese, evitaria que o veneno circule pelo corpo. No entanto, "isso apenas piora a circulação do sangue no local da picada e aumenta o risco de necrose e amputação de membros”, explica Roberta Piorelli, médica do Hospital Vital Brazil do Butantan.

Outro procedimento é a ingestão de álcool em grandes quantidades, o que neutralizaria o veneno da cobra. Só que o álcool não tem nenhum efeito sob o envenenamento, segundo Piorelli. Além disso, não se deve tentar sugar o veneno da pele e nem cortar a região, tentando impedir que o veneno entre na corrente sanguínea.

Onde buscar ajuda?

Continua após a publicidade

O Butantan indica que, após ser picado por cobra, o indivíduo ou possíveis acompanhantes sigam quatro principais passos:

  • O local da picada deve ser lavado com água corrente e sabão;
  • Levar a cobra para ser identificada pelos especialistas;
  • Ir o mais rápido até um hospital ou centro de atendimento médico;
  • Se possível, ficar deitado e manter apenas o membro que levou a picada, como a perna, levantado;
  • Manter-se hidratado.

Vale explicar que identificar a espécie de serpente que picou a pessoa pode ser bastante útil, já que existem soros específicos para cada tipo de cobra. Por exemplo, o soro anticrotálico atua contra veneno da cobra cascavel. Enquanto isso, o antielapídico age contra veneno da cobra coral verdadeira.

Continua após a publicidade

Por isso, fazer alguns registros com a câmera do celular pode ajudar o especialista a identificar qual serpente foi responsável pela picada. Quando não é possível saber de antemão a espécie da cobra, o diagnóstico considerará os sintomas apresentados e as características da picada.

Como se proteger contra as cobras

Para se proteger contra acidentes com cobras, a pessoa deve usar alguns equipamentos de proteção quando for realizar atividades que são potencialmente de risco. Nessas circunstâncias, o indivíduo deve:

  • Usar calçados fechados e de cano alto em áreas rurais ou florestais;
  • Usar luvar grossas para mexer com folhas secas, lixo e palhas;
  • Não colocar a mão em buracos e nem levantar pedras sem algum tipo de proteção;
  • Evitar acúmulo de lixo de entulho.
Continua após a publicidade

Embora estas alternativas ofereçam uma proteção limitada, podem ser decisivas para impedir que uma pessoa seja picada. Em alguns casos, quando não há tratamento adequado, o paciente pode morrer por causa da hemorragia em decorrência do veneno.

Fonte: Instituto Butantan e Ministério da Saúde