Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Molécula recém-descoberta combate mais de 300 tipos de bactérias resistentes

Por| Editado por Luciana Zaramela | 17 de Agosto de 2022 às 13h52

Link copiado!

CDC/Unsplash
CDC/Unsplash

A resistência antimicrobiana é assunto sério, e já está entre as principais causas de morte no mundo. No entanto, a comunidade científica descobriu uma aliada em potencial nessa batalha: uma molécula eficaz no combate a 300 tipos de bactérias resistentes. As informações foram publicadas em um artigo na ACS Central Science.

A molécula recém-descoberta se chama fabimicina, e o novo tratamento potencial tem como alvo bactérias gram-negativas, um grupo de patógenos difíceis de matar que comumente estão por trás de infecções do trato urinário, pulmões e até mesmo da corrente sanguínea.

Sua resiliência se deve a uma membrana externa protetora que ajuda a proteger a parede de substâncias prejudiciais, como antibióticos. Para se ter uma noção, o estudo descobriu que mais de um terço dos indivíduos com infecções sanguíneas por bactérias gram-negativas morreram em um ano.

Continua após a publicidade

A fabimicina supera as barreiras ao passar pela camada externa da célula, e ainda consegue evitar a eliminação de muitas bactérias saudáveis, um grave problema com os tratamentos atuais. Nos testes, a molécula teve efeito em mais de 300 tipos de bactérias resistentes.

Nos camundongos, a molécula mostrou reduzir os níveis de bactérias nocivas ou infecções do trato urinário. "Dada a atividade promissora da fabimicina em modelos de infecção de camundongos e dados encorajadores de que a fabimicina é estável no plasma de ratos e humanos, é razoável acreditar que a eficácia da fabimicina pode melhorar à medida que é usada para tratar infecções em organismos superiores", concluem os pesquisadores.

Ainda há muito trabalho a fazer antes que a molécula fabimicina possa ser incorporada a uma droga que é realmente usada contra as bactérias, mas os sinais são esperançosos para a comunidade científica. Agora a ideia é se concentrar nos testes em humanos.

Fonte: ACS Central Science via Science Alert