Ministério da Saúde reduz previsão de vacinas contra COVID-19 para abril

Ministério da Saúde reduz previsão de vacinas contra COVID-19 para abril

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 01 de Abril de 2021 às 14h30
Pixabay

Na quarta-feira (31), o Ministério da Saúde reduziu a previsão para o recebimento e a distribuição de vacinas contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2) no Brasil, durante o mês de abril. Em março, a pasta também enfrentou defasagem com os números anunciados previamente. Até o momento, o vacinômetro da Saúde aponta que 4,2 milhões de brasileiros já receberam as duas doses de um imunizante contra a COVID-19.

Com a nova previsão de imunizantes, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, aguarda o recebimento de cerca de 25,5 milhões de doses. Anteriormente, o cronograma divulgado pela pasta, no dia 19 de março, tinha a previsão de recebimento de 47,3 milhões de doses. "Em relação a vacinas, em abril, previsão é de 25,5 milhões de doses. Há atrasos na entrega das duas principais indústrias nacionais, Butantan e Fiocruz, há questão da vacina indiana [Covaxin], que a Anvisa ontem suspendeu a planta", afirmou o ministro.

Previsão de vacinas contra a COVID-19 que serão distribuídas no Brasil em abril é diminuída Imagem: Reprodução/Hakan Nural/Unsplash)

Inicialmente, a previsão para abril era de: 2 milhões de doses importadas da vacina Covishield (AstraZeneca/Oxford); 21,1 milhões de doses da vacina Covishield, produzidas localmente pela Fiocruz; 15,7 milhões de doses da CoronaVac, produzidas nacionalmente pelo Instituto Butantan; 8 milhões da vacina Covaxin, importadas da farmacêutica Bharat Biotech; e 400 mil doses da vacina Sputnik V, importadas pelo Instituto Gamaleya. No entanto, os dois últimos imunizantes não obtiveram autorização de uso emergencial no Brasil.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Na quarta-feira (31), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) negou a autorização de importação de doses da Covaxin, produzidas na Índia. Durante a decisão, a Anvisa afirmou que "há incerteza sobre a eficácia e a segurança da vacina" já que dados necessários não foram apresentados para a análise brasileira.

Para conferir o vacinômetro do Ministério da Saúde e a aplicação de doses das vacinas contra a COVID-19 na população brasileira, em tempo real, clique aqui.

Fonte: G1  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.