Publicidade

Médicos imploram: não faça seu próprio transplante fecal em casa

Por| Editado por Luciana Zaramela | 23 de Novembro de 2023 às 16h35

Link copiado!

annie pm/unsplash
annie pm/unsplash

O transplante fecal envolve colocar a matéria fecal (sim, é isso o que você está pensando) de um doador saudável no cólon do paciente sob a premissa de tratar infecções epecíficas. Até mesmo o Reino Unido recomenda o transplante de fezes, desde que supervisionado por médicos. No entanto, algumas pessoas passaram a fazer isso em casa, sem supervisão, o que tem preocupado especialistas.

O transplante fecal ajuda no tratamento de infecções recorrentes por Clostridium difficile, uma bactéria que pode destruir o cólon. Em paralelo, pesquisas sugerem que essa técnica também pode contribuir contra outras doenças intestinais, como a colite ulcerosa, bem como para a obesidade, doenças autoimunes e até doenças neurológicas.

Esses estudos são iniciais, e mais pesquisas são necessárias para entender a dimensão desse tipo de tratamento. Mas mesmo assim, comunidades online passaram a aderir ao processo e até mesmo ensinar como fazer em casa (no maior estilo do it yourself).

Continua após a publicidade

Os vídeos das pessoas ensinando passaram a conquistar milhares de visualizações, e é com isso que os médicos fazem um apelo de que a abordagem caseira é arriscada.

O alerta, então, é que justamente não há ciência suficiente para mostrar que é segura e eficaz para a maioria das doenças que as pessoas pretendem tratar. E avançar pode significar que, em vez de adquirir bactérias boas, o indivíduo poderá adquirir algumas que são ruins ou até mesmo mortais.

Por que não fazer transplante fecal em casa

Continua após a publicidade

Em uma pesquisa publicada na American Journal of Gastroenterology, 82% dos participantes revelaram que o transplante ajudou a condição que estavam tentando tratar, e apenas 12% relataram efeitos colaterais negativos, como dor de estômago e inchaço.

Enquanto isso, 96% dos entrevistados disseram que fariam isso de novo, e 43% disseram que haviam realizado mais de dez vezes o procedimento.

Mas os médicos insistem: fazer um transplante fecal sozinho é extremamente arriscado. Quando supervisionado por um médico, existem métodos de triagem rigorosos para garantir que as fezes do doador sejam seguras, e é mais difícil para os leigos fazerem o mesmo.

Os pesquisadores alertam que as fezes desse devem ser examinadas em busca de patógenos como vírus, fungos e bactérias que podem deixar um receptor inda mais doente.

Continua após a publicidade

Fonte: Clinical Endoscopy, Business Insider, American Journal of Gastroenterology