Máscara à base de proteína de avestruz brilha quando a pessoa está com covid-19

Máscara à base de proteína de avestruz brilha quando a pessoa está com covid-19

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 04 de Novembro de 2021 às 11h20
twenty20photos/envato

O principal mistério acerca da covid-19 é diferenciar os infectados dos não-infectados. É com esse objetivo que se afere a temperatura das pessoas na entrada de estabelecimentos, por exemplo, na tentativa de identificar alguém contaminado. Mas e se a própria máscara cumprisse essa proposta? O diretor da Kyoto Prefectural University (Japão) desenvolveu uma máscara que brilha quando detecta a presença do SARS-CoV-2.

Yasuhiro Tsukamoto, que além de diretor da universidade também é pesquisador da área de veterinária, tratou a superfície da máscara com uma proteína de avestruz para emitir luz para sinalizar a presença do vírus. Sua ideia era que qualquer pessoa que a usasse percebesse a infecção quando a máscara brilhasse, para então ir atrás de um diagnóstico.

Na aparência, a máscara não parece diferente das outras disponíveis no mercado. O segredo está na estrutura interna da proteção facial: contém um filtro com um anticorpo para reagir com o coronavírus. Acontece que antes do início da pandemia, a pesquisa de Tsukamoto se concentrava em fazer com que os avestruzes produzissem um certo anticorpo em quantidades significativas.

Máscara brilha sob a presença do SARS-CoV-2 (Imagem: Divulgação/Kyoto Prefectural University)

Em fevereiro do ano passado, ele criou um anticorpo para o novo coronavírus. O pesquisador então criou o filtro especial, junto com um agente spray usando outro anticorpo fluorescente que reage com a radiação ultravioleta, bem como outros tipos de luz se o vírus estiver presente. O mecanismo garante que os vírus na saliva e na cavidade nasal do usuário da máscara sejam primeiro capturados pelo anticorpo no filtro.

O anticorpo fluorescente brilha sob luz negra ou sob a luz emitida por telefones celulares e outros tipos de energia. O próximo passo foi verificar se sua máscara funcionava. Dez pessoas infectadas com o vírus aceitaram usar as máscaras, assim como oito pessoas saudáveis. No caso dessas oito, que utilizaram a máscara durante um dia inteiro, a máscara não brilhou, diferente do caso dos dez participantes infectados. A ideia agora é que a máscara seja aprovada e, futuramente, comercializada.

Fonte: The Asahi Shinbum

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.