Mais uma? Anvisa está avaliando vacina da CanSino para o Brasil

Mais uma? Anvisa está avaliando vacina da CanSino para o Brasil

Por Fidel Forato | Editado por Claudio Yuge | 08 de Março de 2021 às 20h40
Jcomp/Freepik

Oficialmente, o Brasil já autorizou três vacinas para a imunização contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2). Agora, cada vez mais farmacêuticas e empresas iniciam conversas para a aprovação de outras fórmulas contra a COVID-19, como a empresa chinesa CanSino Biologicals —  responsável pelo desenvolvimento da vacina Convidecia — que teve uma reunião com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesta segunda-feira (8).

Durante a reunião com a responsável pela formulação da Convidecia, a Anvisa apresentou o quadro completo de normas e requisitos técnicas para pedidos de registro ou de uso emergencial de vacinas contra o coronavírus no Brasil. Além disso, os técnicos da agência reguladora esclareceram que, para avaliar a segurança e a eficácia de um imunizante, é necessário que a Anvisa tenha acesso a todos os dados brutos e disponíveis sobre o produto no momento da análise.   

Com uma única dose, CanSino manifesta interesse em trazer vacina contra a COVID-19 para o Brasil (Imagem: Reprodução/ Karolina Grabowska/ Pexels)

Após o encontro, a CanSino manifestou interesse em trazer a vacina Convidecia para o Brasil, mas a forma como isso ocorrerá —  através de uma licença de uso emergencial ou solicitação de registro definitivo —  ainda deverá ser definida pelo laboratório chinês. Em ambas as situações, a avaliação da Anvisa poderá ser feita com dados de estudos clínicos feitos no país ou com dados trazidos de estudo em outros países. 

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Como funciona a vacina da CanSino?

O imunizante é baseado em um adenovírus humano, conhecido como Ad5, e foi desenvolvido em parceria com o Instituto de Biologia da Academia de Ciências Médicas Militares da China. Em sua fórmula, este adenovírus não replicante (que não consegue se reproduzir) é também editado geneticamente e recebe parte do material genético do coronavírus.

Com capacidade de imunizar contra a COVID-19 a partir de uma única dose, a Convidecia teve os resultados do estudo clínico de Fase 2 publicados em julho do ano passado. Na pesquisa, foi demonstrado que o imunizante produziu uma significativa resposta imunológica contra a infecção. Ainda com os estudos de Fase 3 em andamento, o seu uso foi autorizado — de forma emergencial e para grupos específicos (militares) — no dia 25 de junho, na China. A fase final de pesquisa ocorreu em outros países também, como o Paquistão, a Rússia, o México e o Chile.

No dia 25 de fevereiro deste ano, a China anunciou, de fato, a aprovação de uso da vacina CanSino para uso geral da sua população. Durante os estudos de Fase 3 ainda não publicados, o imunizante apresentou uma taxa de eficácia estimada em 65,2% contra casos sintomáticos da COVID-19.

Fonte: Anvisa e NYT  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.