Israel testa reforço com vacina da Pfizer em pessoas imunossuprimidas

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 12 de Julho de 2021 às 16h25
Rawpixel

Em meio à vacinação contra a COVID-19, o comum é que os imunizantes exijam duas doses. No entanto, Israel tem apostado numa terceira dose, também chamada de reforço, para as pessoas com sistema imunológico comprometido.

A terceira dose é voltada a pessoas que fizeram transplantes de coração, pulmão e rim ou que têm câncer, por exemplo. Segundo o próprio Ministério da Saúde israelense, há evidências crescentes de que os pacientes com imunossupressão não desenvolvem uma resposta adequada de anticorpos após duas doses das vacinas.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

A decisão de dar uma terceira dose foi estimulada pelo aumento da contagem diária de casos. Com mais de 85% de sua população adulta totalmente imunizada, Israel removeu todas as restrições. Mas o surgimento da variante Delta, identificada pela primeira vez na Índia em abril, levou a um aumento na transmissão, com várias centenas de novas infecções registradas diariamente.

(Imagem: Jcomp/Freepik)

O Centro Médico Sheba, em Tel Aviv, anunciou que dará uma terceira injeção a vários pacientes submetidos a transplante de coração.

A vacina da Pfizer é composta por uma tecnologia inovadora, baseada na inclusão de mRNA (RNA mensageiro), que codifica a sequência que gera a proteína S (spike), usada pelo coronavírus para se ligar às células humanas. Essa proteína faz parte do SARS-CoV-2 e é responsável por induzir nossa resposta imune. A tradução do mRNA é feita com o auxílio das nossas próprias células, o que amplifica a geração dessa proteína.

Fonte: Medical Xpress

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.