Hepatite: sintomas da doença que vem causando casos misteriosos em crianças

Hepatite: sintomas da doença que vem causando casos misteriosos em crianças

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 01 de Maio de 2022 às 17h30
Varyapigu/Envato Elements

Casos misteriosos de hepatite foram identificados em crianças na Europa e nos Estados Unidos. No momento, especialistas em saúde pública ainda investigam a possível origem dessa doença, conhecida pela inflamação do fígado. Em comum, os pacientes apresentarem os olhos e a pele amarelados, mas não tinham febre.

Apesar da origem misteriosa dos atuais casos, a hepatite já é uma doença conhecida e, na maioria dos casos, é desencadeada pela infecção dos vírus A, B e C. Atualmente, o Brasil disponibiliza vacina contra os dois primeiros tipos de agentes infecciosos para crianças no sistema público de saúde.

Casos misteriosos de hepatite são identificados em crianças, sendo que 10% precisam de transplante de fígado (Imagem: Ruwanof/Envato Elements)

Casos misteriosos da doença

Nas últimas semanas, a Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou as autoridades de saúde para um crescente número de casos de uma forma misteriosa de hepatite em crianças. Até o dia 21 de abril, pelo menos 169 casos de hepatite aguda de origem desconhecida foram relatados em 12 países, incluindo membros do continente europeu e os Estados Unidos.

A seguir, confira os cinco países com mais casos misteriosos de hepatite já registrados:

  • Reino Unido: 114 caos;
  • Espanha: 13 caso;
  • Israel: 12 caso;
  • Estados Unidos: 9 casos;
  • Dinamarca: 6 casos;

Por enquanto, os casos são associados com os vírus que causam sintomas do resfriado, conhecidos como adenovírus humanos. "Embora o adenovírus seja uma hipótese possível, as investigações estão em andamento para o agente causador", explica a OMS.

Os pacientes têm entre um mês e 16 anos. Entre os diferenciais destes casos, está o elevado número de transplantes de fígado que foram necessários em decorrência da inflamação. Aproximadamente 10% deles precisaram do transplante e, até o momento, uma morte foi relatada.

Quais são os tipos de hepatite mais comuns?

No Brasil, as hepatites virais mais comuns são aquelas causadas pelos vírus A, B e C. Sim, é importante destacar que são diferentes agentes infecciosos que causam este tipo de inflamação no fígado. Além dos três principais tipos, o Ministério da Saúde explica que "existem ainda, com menor frequência, o vírus da hepatite D (mais comum na região Norte do país) e o vírus da hepatite E, que é menos comum no Brasil, sendo encontrado com maior facilidade na África e na Ásia".

Hepatite A

O vírus da hepatite pode ser transmitido por alimentos que não foram bem higienizados, como verduras (Imagem: Reprodução/lzf/Envato Elements)

Como o nome já diz, a hepatite A é causada pelo vírus homônimo. Geralmente, a sua transmissão ocorre através do consumo de alimentos e bebidas contaminados com fezes de uma pessoa já infectada.

Entre os três principais tipos de hepatite, a A é considerada a menos preocupante. Afinal, tende a passar dentro de alguns meses, embora possa ser grave e até mesmo fatal em alguns casos raros, segundo o Serviço Nacional de Saúde (NHS), no Reino Unido.

Hepatite B

A hepatite B se transmite através do sangue de uma pessoa infectada pelo vírus. Dessa forma, uma pessoa pode se contaminar com o uso compartilhado de seringas. Em crianças, o risco maior é a transmissão de grávidas infectadas para o próprio bebê ou do contato de criança para criança.

A maioria dos adultos pode combater esse vírus e consegue se recuperar em alguns meses, após iniciar o tratamento adequado. No entanto, a maior parte das pessoas infectadas quando criança desenvolve uma infecção de longo prazo, a hepatite B crônica. Quando não tratada, pode levar à cirrose e ao câncer de fígado.

Hepatite C

A hepatite C também é transmitida a partir do sangue contaminado. A diferença é que pode se manifestar de forma assintomática ou causar apenas sintomas semelhantes aos da gripe. Quando a condição não é tratada, o paciente pode desenvolver a hepatite C crônica, onde o risco de cirrose e insuficiência hepática aumenta.

Qual delas é a das crianças?

Apesar destes serem os tipos mais comuns da condição, não é consenso de que eles estejam relacionados com os casos de origem desconhecidos associados às crianças. "Os vírus comuns que causam hepatite viral aguda (vírus da hepatite A, B, C, D e E) não foram detectados em nenhum desses casos", explica a OMS.

Sintomas da hepatite em crianças

Olho amarelo é o principal sintoma da hepatite em crianças (Imagem: Reprodução/CDC/Thomas F. Sellers/Emory University)

De forma geral, os pais e responsáveis podem se atentar para alguns sinais e sintomas da inflamação do fígado, como:

  • Icterícia (olhos e peles amarelados, por causa da bilirrubina no sangue);
  • Urina escura;
  • Comichão na pele (coceiras);
  • Dor muscular;
  • Dor abdominal;
  • Perda de apetite;
  • Náusea e vômitos;
  • Diarreia;
  • Febre.

O que relataram os casos de origem desconhecida?

Novamente, os casos misteriosos parecem não estar 100% associados aos sintomas clássicos da hepatite. Segundo a OMS, "a maioria dos casos não apresentou febre". Por outro lado, foram comuns os sintomas gastrointestinais, como diarreia e vômitos, e a icterícia.

Como prevenir a hepatite infantil?

Existem vacinas contra alguns tipos de hepatite no Brasil (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)

Um dos importantes pilares para a prevenção das formas já conhecidas de hepatite é a vacinação. No Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza vacinas contra a hepatite A — para crianças de 15 meses a 5 anos incompletos — e a B — onde o processo vacinal é iniciado ao nascer e se completa aos 6 meses.

Além disso, especialistas recomendam algumas importantes medidas para evitar a transmissão do vírus:

  • Manter a higiene das mãos, lavando sempre com água e sabão;
  • Lavar frutas, legumes e verduras antes do consumo;
  • Evitar o contato com fezes verificar se a criança se limpou adequadamente após usar o banheiro;
  • Evitar contato próximo com outras crianças que apesentam sintomas gripais ou gastrointestinais.

Com estas medidas, a criança estará mais protegida contra diferentes tipos de infecções, incluindo os vírus que podem causar hepatite. Até o momento, nenhum caso de origem desconhecida da doença foi identificado no Brasil, o que representa relativa segurança.

Fonte: OMS, Ministério da Saúde e NHS     

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.