Nível de glicose no sangue pode prever gravidade da COVID-19, segundo estudo

Nível de glicose no sangue pode prever gravidade da COVID-19, segundo estudo

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 16 de Agosto de 2021 às 11h30
Photocreo/Envato Elements

Por que algumas pessoas ficam gravemente doentes com a COVID-19 e outras nem percebem a doença? Um grupo de cientistas acredita que a resposta para essa pergunta está nos níveis de glicose no sangue.

Para ver isso mais de perto, o grupo usou machine learning para vasculhar vários artigos de pesquisa sobre COVID-19. Dentre 240 mil artigos analisados, eles descobriram que os níveis de glicose são a variável biológica mais citada.

Os pesquisadores acreditam que níveis elevados de glicose indicam ​​probabilidade de uma forma mais grave da doença. Eles descobriram que ter mais açúcar no sangue fornece as condições ideais para o vírus contornar a defesa inicial do corpo, e assim consegue adentrar o sistema respiratório para lutar contra o sistema imunológico nos pulmões.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

(Imagem: RossHelen/Envato)

Segundo a pesquisa, o aumento da glicose resulta na destruição das defesas antivirais nos pulmões, ao mesmo tempo em que desregula o sistema imunológico e causa uma tempestade de citocinas, que inunda o local da infecção com células do sistema imunológico. Uma vez ultrapassadas essas defesas iniciais, a glicose ainda facilita a entrada do SARS-CoV-2 nas células através de um receptor e resulta em doenças muito mais sérias, incluindo falência de múltiplos órgãos. 

Embora isso ainda não seja necessariamente comprovado, o artigo levanta olhares para o efeito que os altos níveis de glicose no corpo podem ter durante a pandemia e a possibilidade de usá-lo como um biomarcador para a gravidade da doença.  A pesquisa completa pode ser encontrada aqui.

Fonte: IFLScience

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.