Publicidade

Gamers correm risco de perda auditiva irreversível

Por| Editado por Luciana Zaramela | 17 de Janeiro de 2024 às 17h32

Link copiado!

Pexels/Alena Darmel
Pexels/Alena Darmel

Um estudo publicado na BMJ Public Health levantou um alerta para a saúde de quem tem o costume de jogar muito videogame. Os cientistas fizeram uma revisão de 14 estudos que no total envolveram mais de 50 mil participantes, e concluíram que os gamers correm mais riscos de sofrer uma perda auditiva irreversível.

Conforme afirmam os autores, parte do problema é o tempo que essas pessoas passam expostas a volumes elevados. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda uma exposição a no máximo 85 decibéis durante quatro horas por semana e 90 decibéis durante uma hora e 15 minutos por semana. 

No entanto, o estudo descobriu que os níveis médios de ruído dos fones de ouvido em jogos de tiro estavam entre 88,5 e 91,2 decibéis. Os sons de impulso (ruídos de tiros) ainda podem atingir 119 decibéis.

Continua após a publicidade

Além de encontrar relação entre jogos e perda auditiva, o artigo também indicou que jogar videogame pode aumentar o risco de zumbido — definido pelo Ministério da Saúde como "uma ilusão auditiva, ou seja, uma sensação sonora não relacionada com uma fonte externa de estimulação".

Dos estudos analisados, dois mediram objetivamente os níveis sonoros de videogames ou centros de jogos, que são como fliperamas de videogame e populares na Ásia, por isso os autores concluem que as evidências disponíveis atualmente sugerem que os jogos podem ser uma fonte comum de perda auditiva.

"Em geral, os níveis sonoros médios medidos dos videogames quase excederam, ou ultrapassaram, os limites permitidos de exposição sonora e, em média, os indivíduos jogaram videogames durante aproximadamente 3 horas por semana. Entre os cinco estudos revisados ​​por pares que avaliaram associações ou correlações entre jogos e perda auditiva ou zumbido, quatro relataram associações ou correlações significativas", concluem os pesquisadores.

Continua após a publicidade

Fonte: BMJ Public Health, Ministério da Saúde, OMS