COVID-19 | Vacina de Oxford não trará fins lucrativos à AstraZeneca

Por Nathan Vieira | 03 de Julho de 2020 às 15h11
Pixabay

Nesta quinta-feira (2), durante uma comissão externa da Câmara dos Deputados, o diretor-executivo do grupo farmacêutico AstraZeneca, Jorge Mazzei, anunciou que não terá lucro com a distribuição de vacinas contra a COVID-19. O laboratório está participando das pesquisas da Universidade de Oxford.

"É importante ressaltar que nesse momento não existe lucro da Astrazeneca. O intuito nesse momento é conseguir garantir o maior número de vacinas disponíveis e garantir também uma distribuição homogênea no maior número de países possível", disse o diretor-executivo do laboratório. "Um dos objetivos da companhia é inicialmente 2 bilhões de doses dessa vacina sob risco", explicou Mazzei. Vale lembrar que a expectativa é que a imunização seja distribuída no país ainda em 2020.

 No mundo, cerca de 200 outras vacinas são testadas para imunização contra a COVID-19 (Imagem: Unsplash)

"A decisão da companhia foi iniciar tudo isso em paralelo com o estudo clínico. Para quê? Para que no momento que a vacina se comprovar eficaz e segura, nós já tenhamos matéria-prima em vacina disponível para iniciar a vacinação dos países que estão dentro desse processo do qual o Brasil faz parte", disse o diretor da AstraZeneca. "Sabemos que, nas próximas semanas, três ou quatro países vão se juntar aos  que já aderiram a esse processo com a vacina de Oxford", acrescentou.

Na última sexta-feira (26), a OMS comentou que a ChAdOx1 nCoV-19, vacina produzida por Oxford em parceria com a AstraZeneca, é a "mais avançada" do mundo "em termos de desenvolvimento". No globo, cerca de 200 outras vacinas são testadas para imunização contra a COVID-19. No Brasil, os testes da vacina contra o novo coronavírus, desenvolvida por Oxford, começaram na semana passada.

Fonte: UOL

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.