Coronavírus pode reduzir testosterona e enfraquecer espermatozoide, diz estudo

Coronavírus pode reduzir testosterona e enfraquecer espermatozoide, diz estudo

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 07 de Setembro de 2021 às 15h43
Maxxyustas/Envato Elements

Passado mais de um ano da descoberta do coronavírus SARS-CoV-2, pesquisadores ainda buscam entender os efeitos do agente infeccioso no organismo humano. Nesse cenário, pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) acompanham pacientes homens que tiveram a COVID-19 e observaram, neste grupo, redução no nível de testosterona e uma menor quantidade de espermatozoides.

Liderado pelo andrologista Jorge Hallak, professor da FMUSP e coordenador do Grupo de Estudos em Saúde do Homem do Instituto de Estudos Avançados (IEA-USP), um novo estudo sobre os efeitos da COVID-19 na saúde sexual masculina foi publicado na revista científica Andrologia.

Coronavírus pode afetar a saúde sexual masculina, diminuindo níveis de hormônio (Imagem: Reprodução/iLexx/Envato Elements)

No levantamento, os pesquisadores conseguiram observar que o coronavírus pode infectar os testículos, prejudicando a capacidade das gônadas masculinas em produzir espermatozoides e hormônios. Inclusive, a pesquisa observou que os resultados de exames de fertilidade e hormonais permaneceram alterados mesmo meses após se recuperarem da COVID-19.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Infertilidade no pós-COVID?

Vale destacar que esse ainda é um estudo inicial e não confirma que a COVID-19 pode causar infertilidade nos pacientes homens que contraíram a infecção. Além disso, as descobertas foram baseadas nos casos de 26 pessoas que contraíram a doença de forma leve ou moderada e tiveram o diagnóstico confirmado por exames. Estes pacientes apresentavam idade média de 33 anos e foram atendidos no Hospital das Clínicas da FMUSP e no Instituto Androscience de Ciência e Inovação em Andrologia.

No grupo, os pesquisadores brasileiros observaram que o espermograma de vários desses pacientes indicou, por exemplo, que a motilidade espermática — a capacidade de os espermatozoides se moverem e fertilizarem o óvulo, cujo índice normal é acima de 50% — caiu para entre 8% e 12% e permaneceu nesse patamar quase um ano após terem sido infectados pelo vírus.

Agora, os resultados dos testes hormonais apontaram apara o fato de que os níveis de testosterona de alguns pacientes despencaram após a doença. Por exemplo, o nível normal do hormônio é de 300 a 500 nanogramas por decilitro de sangue (ng/dL). Em alguns pacientes com COVID-19, esse valor chegou a variar abaixo de 200 e, muitas vezes, ficou entre 70 e 80 ng/dL.

“Temos visto, cada vez mais, alterações prolongadas na qualidade do sêmen e dos hormônios de pacientes que tiveram COVID-19, mesmo naqueles que apresentaram quadro leve ou assintomático”, comentou o professor Hallak para a Agência FAPESP.

Coronavírus pode infectar os testículos

Coronavírus SARS-CoV-2 pode infectar os testículos (Imagem: Reprodução/Kjpargeter/Freepik)

“É muito preocupante como o novo coronavírus afeta os testículos, mesmo nos casos assintomáticos ou pouco sintomáticos da doença. Entre todos os agentes prejudiciais aos testículos que estudei até hoje, o SARS-CoV-2 parece ser muito atuante”, explicou o pesquisador Hallak sobre a nova pesquisa.

“Cada patologia tem particularidades que a prática e a experiência nos demonstram. O SARS-CoV-2 tem a característica de afetar a espermatogênese. Estamos descobrindo os mecanismos envolvidos, como motilidade progressiva persistentemente muito baixa e morfologia bem alterada, sem mudança da concentração espermática significativa”, complementa.

De acordo com o artigo, mais da metade dos pacientes infectados pelo coronavírus apresentou inflamação no epidídimo — esta é uma estrutura que realiza o armazenamento dos espermatozoides e onde eles adquirem a capacidade de locomoção. “Ao contrário de uma infecção bacteriana clássica ou por outros vírus, como o da caxumba, que causa inchaço e comumente desconforto ou dor nos testículos em um terço dos acometidos, a epididimite causada pelo novo coronavírus é indolor e não é possível de ser diagnosticada por apalpamento [exame físico] ou a olho nu”, afirmou lica Hallak.

A partir dessas descobertas, os pesquisadores recomendam que os pacientes homens procurem um urologista ou andrologista, após contraírem o coronavírus. Nesses casos, exames para medir a fertilidade e a produção hormonal podem ser realizados. “Esses indivíduos devem ser acompanhados por um a dois anos após a infecção, pelo menos, pois ainda não sabemos como a doença evolui”, recomendou o pesquisador.

Para acessar o estudo completo sobre os efeitos da COVID-19 na saúde sexual masculina, clique aqui.

Fonte: Agência Fapesp  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.