Consumo de carne processada pode aumentar o risco de demência, diz estudo

Consumo de carne processada pode aumentar o risco de demência, diz estudo

Por Natalie Rosa | Editado por Luciana Zaramela | 11 de Abril de 2021 às 22h00
Ball Park Brand/Unsplash

O consumo de carnes processadas pode ser mais prejudicial ao corpo humano do que se imagina, de acordo com um estudo realizado no Reino Unido. A pesquisa mostra que o alimento está ligado a diversos casos de Alzheimer e outras formas de demência.

Carnes processadas, como salsichas e nuggets, nunca foram consideradas alimentos saudáveis, com outros estudos já relacionando o seu consumo a doenças como diabetes do tipo 2, problemas cardiovasculares e outros tipos de câncer. Além disso, os alimentos também podem aumentar o risco de uma pessoa desenvolver sintomas mais graves de transtornos psiquiátricos.

Imagem: Reprodução/Timolina/Freepik

O estudo foi realizado com base em dados de população do projeto de pesquisa UK Biobank, que coletou informações de saúde e genética de cerca de meio milhão de pessoas com idades entre 40 e 69 anos, entre os anos de 2006 e 2010. Os voluntários precisaram preencher um questionário sobre alimentação no início da pesquisa e outras fichas ao longo de 16 meses. Os pesquisadores também conseguiram rastrear a saúde dos participantes através do sistema de saúde do Reino Unido, descobrindo se eles desenvolveram demência ou morreram pela doença.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Cerca de 2.900 casos de demência foram diagnosticados em todo o grupo, durante um acompanhamento de oito anos. Ao analisar os dados da dieta de cada um desses pacientes, os cientistas descobriram que o risco de ter demência aumentou em 44% para cada 25 gramas de carne processada ingerida diariamente. Porém, não conseguiram encontrar números relevantes ao consumo de carne em geral ou ainda para o consumo diário de carne de frango comum.

Imagem: Reprodução/Léo Roza/Unsplash

Por outro lado, o risco de demência diminuiu levemente para aqueles que comem, regularmente, carne vermelha não processada. O risco de adquirir a doença aumentou para quem possui a variação genética APOE ε4, o que já era esperado, mas esse risco não parece ter sido afetado pelo consumo de carne. "Nossas descobertas sugerem que o consumo de carne processada pode aumentar o risco de demência, e a ingestão de carne vermelha não processada pode estar associada a riscos mais baixos", diz a pesquisa.

Serão feitos novos estudos para avaliar os riscos de uma dieta a base de carne processada aos riscos de demência, além de descobrir como isso vem acontecendo. Enquanto isso, a recomendação é que o consumo seja reduzido para evitar o desenvolvimento da doença. 

Fonte: Gizmodo

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.