Cientistas transformaram células-tronco em tecido cardíaco — e transplantaram!

Cientistas transformaram células-tronco em tecido cardíaco — e transplantaram!

Por Fidel Forato | 31 de Janeiro de 2020 às 17h25

Além das impressões de órgãos 3D para transplantes, tudo indica que os cientistas descobriram mais um caminho, agora, para a recuperação de órgãos. Uma equipe da Universidade de Osaka, no Japão, anunciou ter realizado o primeiro transplante, no mundo, de células musculares cardíacas — aquelas que se contraem sozinhas, no miocárdio —, criadas a partir de células-tronco pluripotentes induzidas (iPS). 

Em outras palavras, esses pesquisadores transformaram células adultas, que de maneira geral não mudam de função, em células embrionárias, ou seja, aquelas que têm potência para virar qualquer outra. Essas células que sofreram esses processo são derivadas, por sua vez, de células sanguíneas saudáveis de doadores externos.

Cientistas japoneses fazem o primeiro transplante de células cardíacas baseadas em células iPS (Imagem: iStock)

Como parte do projeto, Yoshiki Sawa, professor da unidade de cirurgia cardiovascular da universidade, pretende transplantar esses agrupamentos de iPS, na forma de folhas de células musculares cardíacas, ao longo de três anos em 10 pacientes. Cada uma dessas folhas tem cerca de quatro a cinco centímetros de largura e 0,1 milímetro de espessura.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Já em fase de testes, esse novo método de transplante é feito em pacientes que sofrem de disfunção cardíaca grave, como em indivíduos que sofrem com diminuição das artérias que levam sangue ao coração. Na etapa inicial, a equipe de Osaka realizou a primeira operação em um paciente em janeiro, que foi um sucesso.

Saiba mais sobre novas técnicas para transplante de órgãos:

Mesmo assim, o paciente segue em observação, na enfermaria geral do hospital. Além disso, ele continuará sendo monitorando por mais um ano. Durante esse tempo, os pesquisadores esperam que as células, presentes nessas folhas degradáveis ​​ligadas à superfície do coração dos pacientes, cresçam e secretem uma proteína capaz regenerar os vasos sanguíneos para melhorar a função cardíaca. 

Impactos do novo procedimento

"Espero que (o transplante) se torne uma tecnologia médica que salve o maior número de pessoas possível, pois já teve muitas vidas que não pude salvar", comenta Sawa, um dos responsáveis pelo novo procedimento, em entrevista coletiva.

O ensaio clínico da Universidade de Osaka envolve a avaliação rigorosa dos riscos, particularmente as probabilidades de câncer. Além de estudar a eficácia do transplante de cerca de 100 milhões de células por paciente, que eventualmente pode incluir células tumorais. Por isso, ainda é necessário aguardar a reposta do paciente ao novo tratamento.

Fonte: The Japan Times

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.