Cientistas usam impressoras 3D para imprimir córneas para transplantes

Por Natalie Rosa | 30 de Maio de 2018 às 13h18
photo_camera Newcastle University

Cientistas da Universidade de Newcastle, na Inglaterra, revelaram a descoberta de uma técnica experimental que pode ajudar milhões de pacientes na lista de espera por um transplante de córnea.

No projeto comandado pelo professor de engenharia de tecidos Che Connon, os pesquisadores conseguem recriar a membrana utilizando uma simples bioimpressora 3D. Eles fizeram a combinação de células-tronco de córneas saudáveis com colágeno e alginato, uma forma de açúcar utilizada na reconstrução de tecidos. Essa mistura resulta na bio-ink, ou bio-tinta, uma solução imprimível que permite criar uma córnea em apenas 10 minutos.

O objetivo da córnea no corpo humano é ajudar os olhos a focarem, além de proteger contra bactérias e sujeiras encontradas no ar. Porém, por estar localizado na camada externa do globo ocular, acaba se tornando bastante suscetível a lesões.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Atualmente, no mundo todo, existem cerca de 10 milhões de pessoas correndo risco de perder a visão devido a lesões na córnea causadas, principalmente, por doenças infecciosas como o tracoma. No entanto, o transplante não é feito com frequência devido à escassez de membranas disponíveis.

Connon conta que o seu gel exclusivo, produzido com a combinação de alginato e colágeno, tem a capacidade de manter as células-tronco vivas enquanto produz um material rígido o suficiente para que sua forma seja mantida, porém macio o suficiente para que seja espremido pelo bocal de uma impressora 3D. Antes de fazer a impressão, os cientistas examinaram os olhos de pacientes para fazer medições de dimensões e coordenadas.

Com a nova tecnologia, os pesquisadores acreditam em uma esperança futura para aqueles que estão há anos aguardando sua vez na lista de transplantes, e também para quem possui deficiências mais graves.

Fonte: Newcastle UniversityEndgaget

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.