Butantan conclui entrega de 100 milhões de doses da CoronaVac; e agora?

Butantan conclui entrega de 100 milhões de doses da CoronaVac; e agora?

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 16 de Setembro de 2021 às 16h12
Luciana Zaramela/Canaltech

Na quarta -feira (15), o Instituto Butantan entregou ao Ministério da Saúde mais 6,9 milhões de doses da vacina CoronaVac contra a covid-19. Dessa forma, foi encerrado o contrato para o fornecimento de 100 milhões de doses do imunizante contra o coronavírus SARS-CoV-2 ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) e, agora, levanta dúvidas sobre o futuro da fórmula.

“O Butantan, o primeiro a entregar vacinas ao Brasil em janeiro, é o primeiro também a concluir o seu contrato de 100 milhões de doses”, afirmou o presidente do Butantan, Dimas Covas, durante coletiva de imprensa. No entanto, nem todas as pendências com o PNI estão resolvidas.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Isso porque existem alguns lotes da CoronaVac em "quarentena", já que foram enviados imunizantes da China para o Brasil, vindos de fábricas não inspecionadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Por causa disso, os agentes da Anvisa ainda devem embarcar para o país asiático, verificar as condições de produção da vacina e, posteriormente, autorizar o uso dessas doses. 

“Como é um processo que pode demorar, nós começamos a substituição das doses, porque o que importa é que as vacinas sejam aplicadas o mais rapidamente possível”, explicou Covas. Nesse caso, serão enviadas doses de fábricas já aprovadas, substituindo as vacinas que não estão autorizadas. A expectativa é que toda a troca ocorra até o final deste mês. 

Futuro da CoronaVac

Sem previsão de novos contratos, Butantan planeja exportar a vacina CoronaVac (Imagem: Reprodução/Luciana Zaramela/Canaltech)

Com o fim do contrato com a Saúde, não há previsão de um novo pedido por doses da CoronaVac pelo governo federal. Inclusive, a pasta não recomenda, oficialmente, o uso deste imunizante como dose de reforço para idosos ou pessoas imunossuprimidas. No entanto, outros estados, como São Paulo, questionam a recomendação e adotam a fórmula como terceira dose. 

De acordo com Covas, a incorporação da vacina do Butantan como reforço pelo Ministério da Saúde permitiria a antecipação do calendário de aplicação da segunda dose e um maior número de pessoas 100% imunizadas no país. Afinal, estariam disponíveis mais marcas de imunizantes, além da fórmula da AstraZeneca e da Pfizer.

Só que sem esse interesse, está em aberto o destino da produção de doses da CoronaVac pelo Butantan e, principalmente, o futuro do imunizante. Anteriormente, Covas disse: "Temos outros contratos a serem concluídos, outros estados e outros países”. Dessa forma, é provável que o imunizante seja enviado para outras nações. Por enquanto, os planos de exportação do Butantan não foram compartilhados.

CoronaVac em crianças

Outra possibilidade seria a adoção da CoronaVac na imunização de crianças e adolescentes, de três a 17 anos. Segundo o Butantan, a fórmula "já foi utilizada em mais de 60 milhões de crianças" na China. Além disso, Chile, África do Sul e Indonésia também adotam a fórmula para o público pediátrico. “Os dados de segurança da vacinação nessa população indicam que é a vacina mais segura entre todas as que estão sendo utilizadas no mundo nesse momento”, defendeu Covas.

No entanto, a Anvisa, após analisar todos os dados enviados pelo Butantan, concluiu que faltavam informações e a quantidade de voluntários incluídos nos estudos era baixa para que se atestasse a segurança e a eficácia da CoronaVac nas crianças. Dessa forma, o pedido foi negado, mas agentes da Anvisa informaram que, com mais dados, o parecer poderia ser revisto.

Fonte: Instituto Butantan  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.