Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Brasil recebe primeiros lotes da vacina bivalente contra covid-19

Por| Editado por Luciana Zaramela | 12 de Dezembro de 2022 às 14h31

Link copiado!

_Tempus_/Envato
_Tempus_/Envato

No combate à pandemia, as primeiras 4,5 milhões de doses da vacina bivalente contra a covid-19 desembarcam no Brasil. O montante de imunizantes da farmacêutica norte-americana Pfizer foi recebido em três lotes, sendo que o último chegou nesta segunda-feira (12). A fórmula foi desenhada para gerar melhor imunidade contra a variante Ômicron e suas descendentes.

Além destas doses da vacina bivalente, mais 4,4 milhões de doses devem chegar ao Brasil até o dia 19 de dezembro, segundo a Pfizer. No total, foi acordado com o Ministério da Saúde a aquisição de 36,3 milhões de frascos do imunizante atualizado contra a Ômicron.

Para a imunização dos brasileiros, duas fórmulas atualizadas contra a covid-19 poderão ser utilizadas:

Continua após a publicidade
  • 27,4 milhões de doses da vacina bivalente que protege contra a cepa original do vírus e contra a Ômicron BA.4/BA.5;
  • 8,9 milhões de doses da vacina bivalente que protege contra a cepa original do vírus e contra a primeira Ômicron (BA.1).

Quem poderá tomar a vacina bivalente da Pfizer no Brasil?

Após receber os primeiros lotes da vacina bivalente, o Ministério da Saúde elabora uma nota técnica sobre como e em quem aplicar (público-alvo) as novas doses. Por conta do baixo número de doses adquiridas, o uso da fórmula atualizada deve ser limitado.

Anteriormente, a Câmara Técnica Assessora em Imunizações (Ctai) recomendou que as vacinas bivalentes fossem aplicadas exclusivamente em pessoas de grupos de risco, como idosos, imunossuprimidos e gestantes. Isso porque correm mais risco em caso de infecção pelo coronavírus SARS-CoV-2.

Embora as vacinas bivalentes não sejam aplicadas em todos, é preciso reforçar a importância das doses de reforço, feitas com os imunizantes monovalentes (protegem contra a cepa original do vírus da covid-19). Estas fórmulas ainda são eficazes e podem proteger contra formas graves da doença.