Brasil lidera estudos sobre COVID-19 na América Latina; veja as universidades

Brasil lidera estudos sobre COVID-19 na América Latina; veja as universidades

Por Fidel Forato | 21 de Julho de 2020 às 19h45
Rubens Eishima/Canaltech

Desde o aparecimento do novo coronavírus (SARS-CoV-2), pesquisadores de todo o mundo estudam como esse vírus funciona no organismo humano e procuram desenvolver potenciais vacinas, além de tratamento para a COVID-19. Nesse cenário, o Brasil lidera o ranking de produção de conhecimento científico referente ao novo agente infecioso na América Latina.

De acordo com levantamento organizado pela Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI), o Brasil é quem tem mais artigos científicos sobre o assunto e mais instituições trabalhando em aspectos diversos, do conhecimento do fenômeno às formas de prevenção e tratamento da COVID-19.

Brasil lidera a publicação de artigos científicos sobre o novo coronavírus entre os países da América Latina (Gráfico: Divulgação/ Organização dos Estados Ibero-americanos)

Na pesquisa, cientistas brasileiros já haviam publicado, até esta terça-feira (21), 833 artigos. Em seguida, estão: México (231); Colômbia (157); Argentina (153); Chile (110); e o Peru (76). No total, foram mapeadas 1.478 investigações, a partir dos dados disponibilizados no PubMed. Esse é um banco de dados desenvolvido pelo National Institutes of Health (NIH), dos Estados Unidos, que permite acesso a referências bibliográficas de pesquisas biomédicas publicadas em cerca de 4,8 mil revistas científicas, distribuídas por mais de 70 países.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Quem mais produz conhecimento?

As instituições públicas de ensino universitário é que garantem a posição privilegiada do Brasil na produção de conhecimento sobre o novo coronavírus, especialmente entre os países ibero-americanos. Entre as instituições que mais tiveram trabalhos publicados, desde a descoberta da COVID-19 no final do ano passado, estão:

  • Universidade de São Paulo (USP): 165 publicações;
  • Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz): 65 publicações;
  • Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG): 51 publicações;
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ): 50 publicações;
  • Universidade Estadual de Campinas (Unicamp): 43 publicações;
  • Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO): 33 publicações;
  • Universidade Federal de Pernambuco (UFPE): 31 publicações;
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS): 25 publicações;
  • Universidade Federal do Ceará (UFC): 21 publicações;
  • Universidade Federal da Bahia (UFBA): 19 publicações.

Para o coordenador de Desenvolvimento de Cooperação da OEI-Brasil, Allan Torres, a liderança brasileira mostra a importância do trabalho feito pelos pesquisadores do país sobre a questão. “Acho que isso mostra a qualidade das nossas universidades e o senso de urgência que tiveram perante a seriedade com que a COVID-19 atingiu o Brasil. Tanto o Brasil quanto a Ibero-América mostram o valor do seu capital humano, e o mais interessante disso tudo é o espírito colaborativo”, afirma.

Observatório internacional

Além desse levantamento, a OEI também mapeou a produção de artigos científicos disponíveis na LA Referência, que é uma rede latino-americana de repositórios de acesso aberto. Nessa plataforma, a Argentina é a que tem mais trabalhos publicados (131), seguida pelo Peru (124), Brasil (45), Chile (33) e a Costa Rica (19). 

Também está disponível, de forma online e atualizado em tempo real, um observatório voltado para a produção de conhecimento científico sobre a COVID-19 na América Latina. Para acessar, clique aqui.

Fonte: Agência Brasil  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.