Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Álcool: consumo moderado traz benefícios para idosos, segundo estudo

Por| Editado por Luciana Zaramela | 15 de Julho de 2022 às 15h11

Link copiado!

Ash Edmonds/Unsplash
Ash Edmonds/Unsplash

Segundo um estudo publicado na revista The Lancet, oconsumo moderado de álcool pode reduzir o risco de doenças cardiovasculares, derrame e diabetes na população idosa. No entanto, o público abaixo dos 40 anos não vê nenhum desses benefícios.

Na verdade, o estudo apontou que mesmo quantidades muito pequenas de álcool podem ser prejudiciais a esse público. Os autores conseguiram estimar os níveis de uso de álcool para pessoas com 15 anos ou mais em 204 países e territórios.

No estudo, os pesquisadores calcularam os riscos associados ao consumo de álcool de acordo com idade, sexo e localização geográfica, e determinaram que o limite seguro para homens com menos de 40 anos é de apenas 0,136 bebidas por dia, com perda de saúde ocorrendo quando esse limite é ultrapassado.

Continua após a publicidade

Mulheres da mesma faixa etária podem beber com segurança aproximadamente o dobro dessa quantidade, o que é equivalente a uma pequena taça de vinho, uma lata de cerveja ou uma única dose de uísque, por exemplo.

Para aqueles com idade entre 40 e 64 anos, o consumo seguro de álcool varia de cerca de metade de uma bebida padrão a 1,82 bebida por dia. Enquanto isso, aqueles com mais de 65 anos podem consumir até três bebidas e meia por dia sem sofrer efeitos negativos à saúde.

“Embora os riscos associados ao consumo de álcool sejam semelhantes para homens e mulheres, os homens jovens se destacaram como o grupo com o maior nível de consumo nocivo de álcool. Isso ocorre porque uma proporção maior de homens em comparação com mulheres consome álcool e seu nível médio de consumo também é significativamente maior", explicam os pesquisadores.

Continua após a publicidade

“Nossa mensagem é simples: os jovens não devem beber álcool, mas os mais velhos podem se beneficiar bebendo pequenas quantidades”, conclui o artigo científico.

Fonte: The Lancet via IFL Science