Acordo para disponibilizar vacina Coronavac no SUS pode acontecer na quarta (16)

Por Nathan Vieira | 15 de Setembro de 2020 às 18h39
CDC/Unsplash

Com a pandemia cada vez mais preocupante, uma luz no fim do túnel tem sido o desenvolvimento de candidatas a vacinas que possam ajudar na luta contra a COVID-19. Nesta terça (15), o governador de São Paulo João Doria (PSDB-SP), durante entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, anunciou confiança na oficialização de um acordo entre o Ministério da Saúde e o Instituto Butantan para a disponibilização no SUS (Sistema Único de Saúde) da CoronaVac, vacina chinesa que tem sido testada em São Paulo. O próprio diretor do Butantan, Dimas Covas, chegou a contar que a formalização pode acontecer já na quarta-feira (16).

Durante a entrevista, Doria disse o seguinte: "Eu não vejo como o governo federal, sob qualquer alegação, possa dizer aos brasileiros que há brasileiros de primeira classe e de segunda classe, os que serão vacinados antes e os que serão vacinados depois. Eu duvido que o presidente da República (Jair Bolsonaro) tenha capacidade de dizer isso aos brasileiros. Tenho a convicção de que ele dirá que a vacinação será feita para todos".

Enquanto isso, Dimas Covas reiterou que restam apenas trâmites burocráticos para o fechamento do acordo entre o Butantan e o ministro interino da Saúde Eduardo Pazuello, que vem conversando com o governo paulista e a instituição ligada à gestão estadual: "A liberação de recursos depende de algum procedimento burocrático. Tem uma equipe do ministério e do Butantan que estão trabalhando desde a semana passada, e terça e quarta uma equipe do Butantan se descola para Brasília para terminar esse processo burocrático".

O diretor do Instituto Butantan completou que "a partir de quarta (16), quinta-feira (17)", formalmente todos os procedimentos estarão aptos a serem anunciados do ponto de vista de financiamento. Já na última quarta-feira (9), Covas confirmou que a ideia do Butantan é fornecer até 100 milhões de doses em abril do ano que vem. Com isso, a instituição vai investir na ampliação da sua fábrica em São Paulo, com R$ 97 milhões já arrecadados pelo governo paulista junto à iniciativa privada. A reforma começa em novembro e deve ser entregue no segundo semestre de 2022.

(Imagem: Jcomp/Freepik)

Vacina Coronavac

A vacina desenvolvida pelo laboratório chinês com o Instituto Butantan tem em sua fórmula o novo coronavírus inativado, ou seja, contém apenas fragmentos inativos desse vírus (não há chances de desencadear uma infecção). Com a aplicação das duas doses previstas, é esperado que o sistema imunológico de cada paciente comece a produzir anticorpos contra o vírus da COVID-19.

Vale lembrar que a fórmula desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butatan pode começar a ser distribuída, em massa e de forma gratuita, ainda em janeiro de 2021.

Fonte: UOL

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.