Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

App do metaverso permite a entrada de crianças em salas de strip e sexo virtual

Por| Editado por Douglas Ciriaco | 25 de Fevereiro de 2022 às 11h30

Link copiado!

Reprodução/BBC
Reprodução/BBC

Investigação conduzida pela rede BBC News descobriu que crianças podem acessar livremente locais onde avatares 3D simulam sexo no aplicativo VRChat, uma das soluções que permitem a entrada no metaverso. Uma jornalista criou uma conta falsa para fazer o teste e não precisou passar por nenhuma verificação de identidade para entrar nos ambientes.

Se passando por uma adolescente de 13 anos, a profissional deparou-se com homens que perguntavam porque ela não estava na escola e a convidaram para participar de atos sexuais virtuais. Ela conseguiu trafegar livremente por clubes de strip-tease virtuais e locais inapropriados para menores de idade, com brinquedos adultos expostos e grupos que simulavam atividades sexuais.

Continua após a publicidade

No relato, a BBC disse ter visto vários avatares falando como crianças que fingiam ser casais adultos. Isso pode significar haver outras crianças por lá ou que adultos usavam linguagens infantis propositalmente para aliciar os jovens.

Tudo isso ocorre no VRChat, uma das plataformas de virtualização mais conhecidas do planeta e considerada uma das precursoras do metaverso. A solução permite navegar em um sistema digital com o auxílio de óculos de realidade virtual e avatares tridimensionais por salas nas quais as pessoas podem se reunir para conversar.

Sexo virtual e aliciamento de menores

O acesso ao VRChat foi feito com o headset de realidade virtual da Meta. A aplicação pode ser baixada no próprio Facebook e usada por pessoas com mais de 13 anos, embora não seja necessário comprovar a idade. A rede social recomenda supervisão dos pais na utilização, mas isso obviamente não é um empecilho para ninguém.

Apesar de não ser exclusivo para maiores de idade, há locais que funcionam como clubes de strip e outros que são como casas de swing. Na investigação, a jornalista pôde assistir a material sexualmente explícito sem qualquer restritção. Outra grave situação foi uma prática conhecida como grooming, quando adultos tentam manipular crianças para fazer o que querem, prática conhecida como aliciamento de menores aqui no Brasil.

A VRChat disse à BBC que trabalha para tornar a ferramenta um "espaço seguro e acolhedor para todos" e garantiu que combate comportamentos inapropriados como este. Já a Meta disse que não tem responsabilidade pelas aplicações de outras empresas e disponibiliza ferramentas para os jogadores denunciarem ou bloquearem quem descumpre as regras. A companhia alegou que fará melhorias à medida que aprende mais sobre a forma como as pessoas interagem em tais espaços.

Fonte: BBC