União Europeia pode multar Facebook em mais de US$ 3 bi por vazamento de dados

Por Wagner Wakka | 15 de Abril de 2021 às 11h59
Facebook

A União Europeia vai verificar o vazamento de dados de 533 milhões de usuários do Facebook. Em comunicado, a Comissão de Proteção de Dados (DPC, na sigla em inglês) da Irlanda informou que abriu uma investigação para saber se a empresa feriu regras de tratamento de dados ou não.

Se o órgão considerar que o Facebook realmente violou a lei, a União Europeia pode aplicar uma multa equivalente a 4% da receita global da companhia. No total, isso daria cerca de US$ 3,4 bilhões.

A comissão irlandesas está se baseado no Data Protection Act de 2018, criado exatamente após os casos de uso indevido de dados pela Cambridge Analytica e pelo Facebook. O DPC disse que está conversando com a subsidiária da empresa na Irlanda para conseguir mais informações sobre o assunto e prosseguir com a investigação.

“A DPC, tendo considerado a informação oferecia pelo Facebook na Irlanda sobre o assunto até agora, tem a opinião de que um ou mais pontos da GDPR e/ou do Data Protection Act de 2018 podem ter sido, e/ou estão sendo violados em relação a dados pessoais de usuários do Facebook”, disse a DPC em nota.

Entenda o caso

Em janeiro deste ano foi descoberto um bot de Telegram que permitia consultar dados de 533 milhões de usuários do Facebook mediante o pagamento de US$ 20. Agora em abril, tais dados foram compilados e divulgados em fóruns hackers. Só no Brasil, há 8 milhões de contas afetadas.

Entre as informações estão IDs do usuário, nome na rede social, e-mail, localização, gênero, dados profissionais e número de telefone. Segundo o Facebook, o vazamento foi descoberto em dezembro de 2019, quando um criminoso se aproveitou da brecha para acessar os dados. Para isso, ele só precisou do número de telefone dos usuários.

“Estes são dados antigos, que já haviam sido reportados em 2019. Nós encontramos a falha e arrumamos em agosto de 2019”, disse a companhia.

Em resposta ao Business Insider, o Facebook confirmou que está trabalhando com o DPC e que não acredite que haja problemas. “Estamos cooperando completamente com o IDPC nesta questão, relativa a recursos que facilitavam que pessoas pudessem encontrar e se conectar com amigos em nossos serviços. Estes recursos são comuns em muitos aplicativos e estamos ansiosos para explicar como funciona e as proteções que colocamos no lugar”, disse a assessoria.

Até o momento, o Facebook ainda não ofereceu detalhes como que o vazamento ocorreu, nem mesmo qual foi a solução aplicada. O DPC também não ofereceu uma previsão de quando as investigações serão finalizadas.

Fonte: DPC, Business Insider

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.