Twitter remove mais 480 contas sob acusação de “manipulação coordenada”

Por Rafael Arbulu | 28 de Agosto de 2018 às 11h57
Tudo sobre

Twitter

Saiba tudo sobre Twitter

Ver mais

Em meio ao caos e desespero que assola seus investidores, o Twitter anunciou a suspensão de 486 contas acusadas de “engajar em manipulação coordenada de informações”. A ação é um complemento das suspensões feitas pela empresa na última semana, quando 284 contas foram suspensas pelo mesmo motivo.

Os “comentários divisivos” que levaram o Twitter à nova onda de remoções compartilharam notícias falsas e retóricas anti-Trump, contrariando as acusações vindas da ala política conservadora dos EUA de que a rede social deliberadamente atacava conteúdo do partido Republicano.

“Assim como em investigações passadas, estamos comprometidos a nos engajar com outras empresas e entidades de autoridade da lei. Nosso objetivo é auxiliar investigações dessas atividades e, onde possível, levar a público a transparência e o contexto de nossos esforços”, disse o Twitter por meio de sua conta @TwitterSafety. “Desde o seu início na última terça-feira, nós continuamos nossas investigações, ampliando a nossa compreensão dessas redes. Assim sendo, nós suspendemos 486 outras contas por violar as políticas determinadas na última semana. Isso eleva o total de suspensões a 770”.

O Twitter vem, há anos, sofrendo acusações de que faz muito pouco — ou não faz nada — para coibir a disseminação de conteúdos questionáveis em sua rede. Exemplos mais recentes remetem à ação tomada contra Alex Jones, uma voz contundente da extrema-direita conspiracionista americana e apresentador do canal Infowars: a rede de microblogs optou por deixar que Jones continuasse atuante na plataforma, colocando-o em “modo leitura” por uma semana (ou seja, a conta é mantida, mas o usuário não pode interagir ou criar conteúdo durante este período), indo na contramão de outras produtoras de conteúdo, que sumariamente baniram Jones de suas plataformas.

Alex Jones, comunicador da extrema-direita conspiracionista americana e apresentador do canal online Infowars (Imagem: Divulgação)

Recentemente, porém, o Twitter adotou uma linha mais dura nas práticas de segurança, o que levou à queda de usuários ativos registrados durante a última conferência de resultados. Ainda que a empresa tenha postado lucro de US$ 100 milhões, a queda de aproximadamente um milhão de usuários mensais no segundo trimestre deixou seus investidores assustados. Ainda assim, a rede mantém-se à sua política de coibir material duvidoso.

Vale lembrar que, em 5 de setembro, o Twitter, junto da Google e do Facebook estarão respondendo a perguntas feitas pelo Senador Mark Werner e outros políticos que compõem a Comissão de Inteligência do Senado sobre o uso de suas plataformas por outros países na influência da política norte-americana.

Fonte: Techcrunch; Twitter Safety

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.